Momento Espírita
Curitiba, 29 de Março de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone O homem no mundo
 

Observar a atual situação do mundo por vezes é desanimador.

Em toda parte há violência, desonestidade e sofrimento.

Ante esse contexto, muitas criaturas experimentam o desejo de desvincular-se da vida em sociedade.

A pretexto de manter-se em paz procuram conviver o mínimo possível com seus parentes, vizinhos e colegas de trabalho.

Para justificar-se perante a própria consciência, buscam nas palavras do Cristo embasamento para seu proceder.

Nesse afã, algumas passagens do Evangelho são consideradas como incentivo para a criatura desligar-se da realidade que a cerca.

Afirma-se que, como o Reino de Deus não é deste mundo, então o mundo não tem muito valor.

Tendo em vista que a riqueza e os prazeres materiais dificultam o acesso ao Reino dos Céus, o melhor é abdicar deles de vez.

Nessa linha de pensar, afastar-se dos afazeres do mundo parece o caminho da redenção.

Ao longo da História não faltaram congregações religiosas dedicadas à vida contemplativa.

Ocupados em louvar a Deus, seus membros não mantinham contato com os sofredores.

Ocorre que o conjunto da mensagem do Cristo não encoraja o isolamento.

A própria vida do Messias demonstra o contrário.

A título de preservar Sua paz, Jesus não Se furtou de conviver com o povo ignorante.

Ele afirmou textualmente que os sãos não necessitam de médico.

Conviveu com prostitutas, ladrões, ignorantes e desequilibrados de toda ordem.

A todos amou, amparou e esclareceu.

Quem se afirma cristão não pode ignorar a clareza dos exemplos dados pelo Cristo.

Ademais, Jesus afirmou que toda a Lei Divina resume-se em amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.

É incoerente amar a Deus acima de tudo, mas desprezar o mundo que Ele criou.

O amor ao Criador é revelado por nossas tentativas de entender e respeitar a Sua obra.

O papel que nos cabe no concerto da Criação é colaborar para que a sociedade em que estamos inseridos se aprimore.

Quem ama a Deus não pode desistir quando o bom combate está apenas começando.

Por outro lado, o amor ao próximo também se insere no resumo das Leis Divinas feito por Jesus.

Não é possível manifestar esse amor fugindo do semelhante.

Para cumprir a Lei Divina, impõe-se sejamos solidários uns com os outros.

Quem pode e sabe mais, deve auxiliar e esclarecer.

É necessário que nos amparemos, não que nos evitemos.

Constitui rematado equívoco achar que a preservação da paz implica afastamento dos semelhantes.

A paz pressupõe a consciência tranquila pelo dever bem cumprido.

Nosso dever é evidenciado pela vida, ao nos colocar em determinado contexto familiar e social.

Conquistamos nosso aprimoramento e a paz vivendo nesse ambiente de forma nobre e pura.

A tarefa do cristão não é fugir do mundo, mas abandonar as ilusões.

O céu não é um local, mas um estado de consciência em harmonia com as Leis Divinas.

Como a Lei Divina resume-se no amor, ninguém conquista o paraíso ignorando o sofrimento alheio.

Assim, vivamos no mundo com sabedoria.

Quaisquer que sejam os nossos recursos e talentos, busquemos utilizá-los na construção de um mundo melhor.

Esta é a nossa missão.

Pensemos nisso.

 Redação do Momento Espírita.
Em 08.03.2010.

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998