Momento Espírita
Curitiba, 14 de Agosto de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Deus em meu quintal
 

Alguns guardam o domingo indo à igreja

eu o guardo ficando em casa

tendo um sabiá como cantor

e um pomar por santuário.

 

Alguns guardam o domingo em vestes brancas

mas eu só uso minhas asas

e ao invés de repicar dos sinos da igreja

nosso pássaro canta na palmeira.

 

É Deus que está pregando, pregador admirável

e o Seu sermão é sempre curto

Assim, ao invés de chegar ao céu, só no final

Eu o encontro o tempo todo no quintal.

 

Emily Dickinson, autora deste poema, reveste de beleza singela uma idéia muito profunda e importante, a respeito de nossa adoração a Deus.

Haverá lugar específico para adorar a Deus? Haverá tempo certo, posição mais adequada, formas, vestimentas?

Estudemos a orientação primordial de Jesus, que foi bastante claro em dizer que Deus é Espírito, e deve ser adorado em Espírito e Verdade.

O Espírito não tem forma, não é corpo, não é matéria.

Assim, o que o Mestre deseja dizer com adorá-Lo em Espírito, é que tal adoração deve ser interior, e que não precisa das formas exteriores.

A adoração deverá ser sempre de Espírito para Espírito, de nossa alma para o Criador, independente de onde estivermos, independente das formas exteriores utilizadas.

Há de se considerar as crenças humanas arraigadas, que trouxeram para as formas externas muitos hábitos, muitos rituais envolvendo o contato com Deus.

Porém, a alma madura, esclarecida, conhecedora da verdade, da mesma verdade da qual Cristo fala nesta passagem, precisa ir mudando seus costumes gradativamente.

A adoração a Deus em Espírito, abre-nos mil possibilidades inigualáveis.

Independente se estamos nesta ou naquela crença religiosa, se neste ou naquele local, se usando destas ou daquelas palavras, podemos nos comunicar com Ele.

Quando o pensamento está elevado, quando se reveste do bem, da caridade, da poesia, ele está em contato com o Criador.

Quando admiramos a natureza num fundo de quintal, e percebemos a grandeza da Criação, nos sentindo parte de algo grandioso e maravilhoso, estamos adorando o Criador.

Quando praticamos as leis de Deus, inscritas em nossa consciência, colocamo-nos em comunhão com Ele.

Basta a sintonia mental positiva. Basta a alegria de viver. Basta a gratidão pela existência, pelos seres amados, e lá estamos nós sintonizados com o Pai.

Adorar a Deus em Espírito e Verdade, é conhecer a felicidade no caminhar, é despertar para a verdadeira vida todos os dias.

Pense nisso.

*   *   *

Allan Kardec, na terceira parte de O livro dos Espíritos trata sobre a lei de adoração.

Na questão 654 ele pergunta: Deus dá preferência aos que O adoram desse ou daquele modo?

Ao que os Espíritos lhe respondem: Deus prefere os que O adoram verdadeiramente com o coração, com sinceridade, fazendo o bem e evitando o mal(...).

Redação do Momento Espírita com base no item 654  de
O livro dos Espíritos, de Allan Kardec, ed. Feb, e versos da
poetisa americana Emily Dickinson,, do livro Complete
 poems, ed. BackBay Books.
Em 21.09.2009.

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998