Momento Espírita
Curitiba, 02 de Abril de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Educação e vivências

 Há pessoas que defendem a ideia de nivelar as condições de higiene de todos os seres em todos os quadrantes da Terra.

Todavia, vale considerar que nem todos estão em condições de limpar e conservar limpa a sua casa, seja ela a física ou a mental.

O que queremos dizer é que nenhuma modificação de vulto poderemos esperar, nos cenários da vida física, antes que surjam profundas alterações no mundo moral dos homens E isso é uma questão de educação.

Se colocarmos alguém deseducado para viver num palácio, logo este será convertido num pardieiro.

Levemos alguém sem educação para conviver num jardim e este será, em breve tempo, transformado num campo arruinado.

Entreguemos a alguém deseducado a guarda de crianças inexperientes e é possível que, dentro em pouco, deparemos com delinquentes diversos, pelos exemplos degradantes com os quais convivem.

Coloquemos detritos nas mãos de uma pessoa deseducada e veremos como serão espalhados, provocando enfermidades e outras moléstias.

Por outro lado, se algum indivíduo assinalado por feliz educação for constrangido a habitar um casebre, com certeza o transformará em ambiente limpo e agradável, ainda que pobre.

Perceberemos, desde logo, que naquela choupana humilde habita alguém higiênico. Veremos as latas velhas convertidas em vasos de flores, a roupa limpa estendida no varal singelo, a claridade do sol a inundar os cômodos pequenos e bem arejados.

A pessoa educada, que possua um pequeno terreno árido e sem vida, em pouco tempo o converterá em pomar excelente.

E, se colocarmos dejetos em mãos bem educadas, estes logo serão transformados em adubo útil a fomentar colheitas abundantes.

Por fim concluiremos que se o indivíduo é educado, haverá harmonia ao seu redor e a recíproca é verdadeira.

De nada vale buscarmos higienizar nosso planeta, sem antes higienizar as mentes dos seus habitantes com a verdadeira educação, que é o conjunto dos hábitos adquiridos.

Desse modo, não nos esqueçamos jamais de que a melhoria da casa guarda relação direta com a melhoria moral do seu habitante.

*   *   *

Para que conheçamos a intimidade das criaturas, basta que observemos seus reflexos exteriores.

Se a pessoa está em paz, espalha uma aura de paz ao se redor.

Se está com a mente atribulada, reflete nos gestos as inquietações da intimidade.

Se ainda não conquistou os verdadeiros valores morais, anda a braços com a indignidade, apesar dos esforços empreendidos para que seja uma pessoa de bem.

Assim, cada criatura traz na fronte, mas principalmente nos atos, o cunho da sua grandeza ou da sua inferioridade.

Pensemos nisso!

 

Redação do Momento Espírita com base no cap. 1,
do livro Educação e vivências, pelo Espírito Camilo,
psicografia de José Raul Teixeira, ed. Fráter.
Em 27.08.2010.

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998