Momento Espírita
Curitiba, 23 de Junho de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone Fronteiras sem fim da amizade
 

Até onde vai a amizade? Diz-se que, por vezes, temos amigos que são mais do que irmãos.

São eles que nos sustentam nas crises, nos auxiliam na enfermidade, nos oferecem o ombro para chorar, a qualquer dia, a qualquer horário.

Pessoas há que, decepcionadas com pretensos amigos, afirmam que é muito difícil existir, hoje, amizade desinteressada.

No entanto, todos os dias, se ouvem histórias de pessoas que devem sua vida a algum amigo.

As gêmeas Rita e Ruth nasceram, em 1988, numa cabana de barro na África Central.

Seus pais eram agricultores da tribo Tutsi e temiam pela vida das filhas, porque os rebeldes Hútus, da oposição ao governo, atacavam constantemente os Tutsis.

Por isso, o casal decidiu ir para Uganda, 240 quilômetros ao norte.

Cada um com uma filha às costas, alguns poucos pertences e a tia das meninas, de apenas 11 anos, começaram a grande viagem.

O pai foi o primeiro a ser assassinado, na tentativa de conseguir alimentos em uma aldeia. A mãe, quando ia à frente, tentando verificar se era seguro prosseguir a jornada, desapareceu para sempre.

Durante dois meses, Katie, na floresta com as duas crianças, esperou a volta da mãe das meninas.

Então, amarrou as gêmeas ao seu corpo e saiu andando. Depois de dez meses, chegaram a Uganda.

Estavam sozinhas, dormindo ao relento e vivendo de restos de alimentos. Um dia, Jane, uma agricultora, as encontrou e as levou para sua casa, condoída de sua triste situação.

Jane tinha somente uma filha de 4 anos e, por três vezes, enfrentou os rebeldes Hútus, escondendo as crianças.

Quando as gêmeas estavam com 11 anos, Katie ganhou uma passagem para longe da África, para o asilo no estrangeiro.

Naquela noite, Rita e Ruth ficaram abraçadas a Katie, chorando. Ela fora o centro de suas vidas desde sempre.

Mas, ao partir, Katie prometeu que mandaria alguém para buscá-las.

Para uma moça de 21 anos, como Katie, se adaptar à vida aonde quer que fosse, levaria tempo. E mais tempo ainda levaria para conseguir alguém que buscasse as gêmeas.

Os meses se sucederam, sem qualquer notícia. Os Hútus matavam e sequestravam dezenas de Tutsis.

As meninas pensavam: Será que ela nos esqueceu?

Três anos se passaram. Com 15 anos, Rita e Ruth já tinham se resignado à vida de medo e incerteza em Uganda.

Então, elas foram apanhadas em casa por um agente estrangeiro e levadas ao aeroporto.

Quatorze horas depois, estavam em Londres, abraçando Katie. Ela explicou como tinha sido difícil conseguir que elas fossem levadas para a Grã-Bretanha antes de milhares de outros refugiados.

Mas disse: Espero que saibam que eu nunca as abandonaria.

As gêmeas passaram o restante da sua adolescência morando com Katie.

Para elas, Katie é a grande amiga a quem agradecem por terem o privilégio de viverem num país de oportunidades.

Diz Rita: Apesar de tudo o que passei, sinto como se tivesse ganhado na loteria.

Amigos... Preciosidades que Deus coloca em nossas vidas para nos atapetar a estrada de ternura, a fim de nos tornar menos áspera a jornada.

Redação do Momento Espírita, com base no artigo Cuidem de mim,
 de Rita Komunda, conforme contado a Nick Morgan, publicado na
Revista Seleções Reader’s Digest, de março de 2009.
Em 10.07.2009.

© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998