Momento Espírita
Curitiba, 06 de Agosto de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone O mundo do Terceiro Milênio

 

Fala-se muito que vivemos em um mundo de constante violência.

E se diz que todos andam apressados, que tudo é uma loucura, que não dá mais para viver de forma serena.

Contudo, graças a iniciativas que ocorrem, ainda de forma esporádica, mas com grande brilhantismo, verifica-se que existem variantes felizes.

Um dos exemplos mais recentes foi a iniciativa de um pouco mais de trinta integrantes da Companhia de Ópera da Filadélfia.

Aconteceu no dia 24 de abril de 2010, um sábado, no Reading Terminal Market, na cidade da Filadélfia, na Pensilvânia. O local é um bazar gastronômico, ainda hoje, conforme suas remotas origens no século XVII.

Em qualquer dia ali se pode encontrar uma variedade eclética de produtos diretos do campo, especiarias incomuns, flores, aves, artesanatos, joias e roupas.

É um local apinhado de gente. A média é de cem mil pessoas que o visitam, a cada semana.

Pois nesse sábado de abril, enquanto as pessoas se acotovelavam, indo e vindo, em meio a balcões de produtos e exposição de telas, de repente, uma música começa a encher os ouvidos de todos.

É La Traviata, composição de Giuseppe Verdi, inspirada na obra de Alexandre Dumas Filho, A dama das camélias.

Então, um tenor lança sua voz, seguido de outro, mais adiante. Surpreendentemente, do meio daquele povo todo, que andava de um lado para outro, conversando, tirando fotos, vão se destacando os membros da Companhia de Ópera.

Estão misturados à multidão, vestidos de forma comum, uns com boné à cabeça, portando mochilas, bolsas, roupas esporte, descontraídos.

Somente são identificados, a partir do momento que abrem sua boca e começam a cantar.

Surpresas, as pessoas vão se dando conta de que cada um deles, que sorri e canta, que brinda com o copo de papel com café ou que os convida a alguns passos de dança, está com um boton com a identificação da Companhia de Ópera da Filadélfia e os dizeres: La Traviata.

E todos param o que estão fazendo para ouvir, admirar, se emocionar. Os turistas tiram fotos e mais fotos.

Um momento mágico. Algo que nos diz que iniciativas dessa ordem devem, graças ao êxito observado, se repetir de outras vezes e em muitas localidades.

Em todo o mundo. Em terminais de ônibus e de trens, onde as pessoas ficam horas aguardando, inquietas, desejando chegar logo aos seus destinos.

Em aeroportos, onde os atrasos deixam as pessoas estressadas, mal-humoradas. Pelas ruas das cidades.

Iniciativas como essa nos dizem que, a pouco e pouco o homem vai descobrindo como é bom viver a harmonia, o belo, a arte.

Como é bom ter um dom e dividi-lo com todos, alegrar corações, fazer as pessoas sorrirem e sonharem.

Sonharem com o mundo maravilhoso que todos idealizamos para o nosso Terceiro Milênio.

Vibremos por isso. E que Deus abençoe Alexandre Dumas Filho, Giuseppe Verdi, os músicos, os cantores, os que tornam, enfim, este imenso mundo de Deus tão mais belo e harmonioso para nossas vidas.

 

Redação do Momento Espírita.
Disponível no cd Momento Espírita, v. 20, ed. Fep.
Em 31.10.2011.
© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998