Momento Espírita
Curitiba, 27 de Setembro de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Tudo está certo

Conta uma antiga lenda norueguesa que um homem cuidava com muito zelo de uma capela, num distante povoado.

Haakon era seu nome e via, todos os dias, muita gente adentrar o santuário e orar, com devoção, frente a uma cruz muito antiga.

Certo dia, Haakon, impulsionado por um sentimento de generosidade, ajoelhou-se diante da cruz e fez uma oferta ao crucificado.

Senhor, desejo padecer por vós. Deixai-me ocupar o vosso lugar.

O Senhor da cruz abriu os lábios e falou:

Amigo, posso atender a tua rogativa, mediante uma condição.

Qual é, Senhor? Será uma condição muito difícil? Estou disposto a cumpri-la.

Então, lhe disse o Cristo:

Escuta-me. Aconteça o que acontecer, não importa o que vejas, terás que guardar sempre absoluto silêncio.

O homem, resoluto, respondeu:

Eu prometo, Senhor!

Fizeram a troca sem que ninguém viesse a perceber. O tempo passou e aquele que substituía o Crucificado conseguia cumprir o seu compromisso de sempre se manter calado.

Um dia, porém, um rico foi até a capela orar. Ao sair, esqueceu a sua bolsa sobre um dos bancos.

Haakon viu e se calou. Também não disse nada quando, umas duas horas depois, alguém muito pobre, que também viera orar, encontrou a bolsa e a levou consigo, ao se retirar.

Continuou calado quando um rapaz veio pedir as graças dos Céus, antes de empreender uma longa viagem.

Contudo, o rico retornou em busca do que esquecera.

Como não encontrasse sua bolsa, pensou que o rapaz se teria apropriado dela. Voltou-se para ele e o interpelou, com raiva, exigindo que lhe devolvesse o que lhe pertencia.

Não peguei nenhuma bolsa! - Defendeu-se o jovem.

Mentiroso! - Gritou o homem. E arremeteu furioso contra ele, no intuito de agredi-lo.

Então, uma voz forte soou:

Para!

A imagem falara, defendendo o jovem e censurando o outro, pela falsa acusação.

O rico saiu aniquilado do local por causa dos valores que perdera. O rapaz, por sua vez, porque tinha pressa para empreender a sua viagem, se foi logo em seguida.

Algumas horas depois, quando a capela ficou vazia, Jesus dirigiu-se a Haakon e lhe disse:

Desce da cruz. Não serves para ocupar o meu lugar. Não sabes guardar silêncio.

E, ante as justificativas do servidor, trocaram de lugar, concluindo o Cristo:

Tu não sabias que era conveniente para aquele homem perder a bolsa que trazia o preço de muita maldade?

Quanto ao rapaz, que iria receber alguns golpes, as suas feridas o teriam impedido de fazer a viagem que, para ele, foi fatal.

Há pouco seu barco naufragou e ele perdeu a vida, em meio às águas do mar.

Tu não sabias, mas eu sabia. Por isso, eu sempre me calo.

* * *

Toda vez que acreditarmos que as nossas preces não foram ouvidas porque não foram atendidas, pensemos que tudo está certo.

Logo mais, ou um pouco depois, descobriremos que Deus estava certo em se manter silencioso.

Tenhamos certeza: nada nos acontece que não seja o melhor para nós, naquele momento. Isso porque Deus nunca se engana.

Confiemos.

 

Redação do Momento Espírita,
 com base em lenda norueguesa.
Em 3.8.2020.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998