Momento Espírita
Curitiba, 11 de Agosto de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Uma ideia melhor
 

Em uma pequena cidade, a cena causava espanto e admiração, ao mesmo tempo, talvez porque o protagonista da história fosse um senhor bem idoso.

Ele costumava passar o dia inteiro plantando árvores.

Certo dia, algumas pessoas que passavam por ali pararam, admiradas, observando aquele ancião a plantar mudas ao longo da rua.

Lisonjeado com o interesse, o velho parou seu trabalho e explicou:

Meus filhos andam sempre insistindo comigo para mandar fazer uma sepultura.

Mas eu tenho uma ideia melhor.

Obtive licença para plantar árvores nas ruas ainda não arborizadas, e é assim que estou gastando o dinheiro que poderia ser empregado num mausoléu.

Já estou com 80 anos e nunca vi ninguém procurar a sombra de uma sepultura para descansar, nem é num cemitério que a criançada vai brincar.

Daqui a 20 anos, meu nome estará completamente esquecido. Mas meus netos e outras tantas crianças estarão aqui para admirar e usufruir destas árvores.

Ademais, quem passar por estas calçadas, nos dias de calor, há de achar agradável a sombra delas.

*   *   *

Impressionante a lucidez daquele homem que já vivera quase um século.

A sua capacidade de discernimento era maior que a dos filhos que, certamente, não queriam se incomodar com a construção de um túmulo para o velho pai, quando ele fechasse os olhos para o mundo dos chamados vivos.

Utilizando-se dos próprios recursos, financeiros e de forças físicas, ele tratou de produzir coisas úteis, ao invés de construir o próprio túmulo e esperar a morte chegar.

Por certo deixara aos mortos, como o recomendara Jesus, o cuidado de enterrar seus mortos.

Deixara para os filhos, que estavam mortos para os verdadeiros valores da vida, o cuidado de enterrar aquele que pensavam estivesse morto mas que, em realidade, estava mais do que vivo.

O personagem dessa história, certamente já foi enterrado há muito tempo, considerando-se que o fato ocorreu há mais de 40 anos.

Mas o seu Espírito imortal e lúcido talvez esteja, neste mesmo instante, revestido de um novo corpo infantil, pela Lei da Reencarnação, brincando de cabra-cega entre as árvores plantadas por ele mesmo há anos atrás.

Considerando-se sob esse aspecto, entenderemos porque é que quem faz o bem pensando nos outros acaba beneficiando-se a si mesmo. E quem faz o mal, igualmente recebe o mal como resposta.

Esse é o efeito bumerangue, ou Lei de Causa e Efeito ou, ainda, o a cada um segundo suas obras, ensinado por Jesus.

*   *   *

Quem planta flores, planta beleza e perfumes para alguns dias. Quem planta árvores, planta sombra e frutos por anos, talvez séculos.

Mas quem planta ideias verdadeiras, planta para a Eternidade.

Redação do Momento Espírita, com base
 em história publicada em Seleções
Reader’s Digest.
Em 08.03.2010.

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998