Momento Espírita
Curitiba, 29 de Março de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Nossos Natais

Toda vez que o Natal retorna, cantando Hosanas, aciono as lembranças dos Natais da minha infância.

Na tela do pensamento, repasso imagens daqueles dias vividos, no seio da família: pais, avós, irmãos.

Dias tão diversos dos atuais. Dias em que a TV ainda não chegara ao nosso lar e o que nos ligava ao mundo, naquele distante rincão, eram as ondas radiofônicas.

Recordo que os dias que antecediam o Natal eram de agitação. Minha irmã era muito criativa e, juntas, fazíamos a decoração da casa.

Laços de fita colorida se mesclavam ao verde de pequenos ramos que retirávamos das árvores do quintal.

Os presentes eram escassos: um para cada criança. Éramos cinco.

No entanto, de forma miraculosa, quando a família adentrava a sala, para a troca tão esperada, havia pacotes e mais pacotes.

Pacotes coloridos, de tamanhos e formas diversas. Leves, pesados, pequenos, grandes.

Era o nosso milagre particular. Tomávamos, minha irmã e eu, de pequenos mimos, esquecidos em gavetas e armários, lavávamos, políamos e providenciávamos embrulhos.

O momento da distribuição era de surpresas contínuas. A pessoa tomava do pacote e tentava adivinhar o que continha.

Seria um presente de verdade ou uma brincadeira? Por vezes, colocávamos algo minúsculo em caixas de variados tamanhos.

E lá ficava um de nós, entre a emoção e a ansiedade de todos, desembrulhando e desembrulhando.

No final, havia sempre risos. Às vezes, era apenas um seixo liso, colhido em passeio familiar e zelosamente guardado para a ocasião.

Ou então, era uma concha sui generis, fruto de uma ida à praia. Um livro emprestado, lido e que retornava, dessa forma, às mãos do dono.

Surpresas e mais surpresas. As crianças participávamos com risos, gritos, exclamações!

A figura de Papai Noel jamais adentrou a nossa casa. Desde muito cedo, aprendemos que nossos pais e avós faziam grandes sacrifícios para conseguir brindar a cada um de nós com um brinquedo.

E nós lhes dávamos lembranças, feitas por nós, entre o carinho e a inabilidade de nossas mãos.

Depois, era a ceia, servida em baixelas de porcelana, especialmente reservadas para dias importantes como o Natal.

Presente de casamento! - Informava nossa mãe, para atestar da importância de todos aqueles pratos.

E bebíamos em copos de cristal, que nos requeriam todo cuidado.

Todos brindávamos, com guaraná, cujas bolhas, provocando cócegas, mais nos faziam rir.

Dias felizes. Natais passados em que não faltava o momento de oração ao Divino Aniversariante, o mais importante convidado. Porque, afinal, só se tinha festa, porque Ele estava aniversariando.

Hoje, quando os anos se transformaram em décadas, agradeço a Deus pelos Natais de tantas venturas familiares.

Agradeço pelos amores que me deram alegrias, tantas e multiplicadas para recordar.

E lhes digo, desejando ouçam no mundo espiritual, onde se encontram: Feliz Natal, vovô, vovó, pai, mãe, irmãos queridos da minha alma saudosa!

 

Redação do Momento Espírita.
Disponível no cd Momento Espírita, v. 22, ed. Fep.
Em 30.7.2012.

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998