Momento Espírita
Curitiba, 26 de Setembro de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Mensagem da criança ao homem

Olhando as crianças maltrapilhas que perambulam sem rumo, pelas ruas das grandes cidades, ficamos a imaginar qual será a mensagem que seus olhos tristes e melancólicos trazem aos homens.

Se pudéssemos registrar seus apelos, talvez ouvíssemos seus gritos silenciosos a nos dizer:

Construíste palácios que assombram a Terra; entretanto, se me largas ao relento porque me faltem recursos para pagar a hospedagem, é possível que a noite me enregele de frio.

Multiplicaste os celeiros de frutos e cereais, garantindo os próprios tesouros; contudo, se me negas lugar à mesa, porque eu não tenha dinheiro a fim de pagar o pão, receio morrer de fome.

Levantaste universidades maravilhosas, mas, se me fechas a porta da educação, porque eu não possua uma chave de ouro, temo abraçar o crime sem perceber.

Criaste hospitais gigantescos; no entanto, se não me defendes contra as garras da enfermidade, porque eu não te apresente uma ficha de crédito, descerei bem cedo ao torvelinho da morte.

Proclamas o bem por base da evolução; todavia, se não tens paciência para comigo, porque eu te aborreça, provavelmente ainda hoje cairei na armadilha do mal, como ave desprevenida no laço do caçador.

Dizes que eu sou o futuro. Não me desampares o presente.

Dizes que sou a esperança da paz. Não me induzas à guerra.

Dizes que eu sou a promessa do bem. Não me confies ao mal.

Não espero somente o teu pão. Dá-me luz e entendimento.

Não te rogo apenas brinquedos. Peço-te bons exemplos e boas palavras.

Não sou simples folha seca rolando ao vento. Sou alguém que te bate à porta em nome de Deus.

Em nome de Deus, que dizes amar, compadece-te de mim!...

Ensina-me o trabalho e a humildade, o devotamento e o perdão.

Compadece-te de mim e orienta-me para o que seja bom e justo...

Ajuda-me hoje para que eu te ajude amanhã.

Não te peço o máximo que alguém talvez te venha a solicitar em meu benefício...

Rogo apenas o mínimo do que me podes dar para que eu possa viver e aprender.

*   *   *

Cada criança que nasce é uma estrela que Deus coloca sobre a face da Terra para que seja amparada pelas nossas mãos.

Não permitamos que essas frágeis estrelas se apaguem por falta de cuidados.

Pela Lei da Reencarnação, é possível que um desses pequeninos seja um afeto do nosso coração que volta, estendendo-nos as mãos em busca de socorro e proteção.

Ademais, Jesus asseverou que tudo o que fizéssemos a esses pequeninos, era a Ele mesmo que o estaríamos fazendo.

 

Redação do Momento Espírita com base no cap. 51 do livro Luz no lar, pelo Espírito
Meimei, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed.Feb e no cap 2, do livro
Antologia da criança, pelo Espírito Meimei, psicografia de Francisco Cândido Xavier,
ed. Ideal.
Em 31.1.2013.

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998