Momento Espírita
Curitiba, 12 de Agosto de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Pensando na morte

Nós, seres humanos, somos de raças e cores diferentes. Temos múltiplas formas de nos expressar, através da linguagem e da diversidade dos costumes.

Em matéria de crença religiosa, filiamo-nos àquela que melhor nos fale ao coração.

Somos de graus variados em intelecto, posição social e sentimentos.

Mas, se há um verdadeiro ponto comum para todos nós, esse se chama morte.

Todos estamos fadados a ela e, de forma paradoxal, é com o que menos nos preocupamos.

Planificamos nossa vida como se esta jamais fosse findar. Criamos rixas e desavenças com pessoas e nações, disputando coisas passageiras, sem nos darmos conta de que tudo ficará aqui, na Terra, quando chegar nossa hora de partir.

Acumulamos bens e trabalhamos muito além da conta, para encher cofres e contas bancárias, sem pensar que isso somente vale enquanto estamos por aqui.

Enfim, vivemos como se a carne fosse imortal e a morte nunca nos houvesse de alcançar.

Para quase todos, aliás, falar em morte equivale a algo lúgubre, tenebroso.

Um conceito que foi fabricado especialmente pela grande noite da Idade Média.

Se nos recordarmos dos cristãos primitivos, veremos que para eles a morte não tinha conotação de terror algum.

Era, antes, considerada a grande libertadora. Conscientes da mensagem imortalista do Galileu, eles partiam para o martírio entre hinos de alegria.

No corpo, consideravam-se encarcerados, anelando pela liberdade.

Na limitação orgânica, sentiam-se em área estreita e sombria, desejando a luminosidade do amanhecer eterno.

Enquanto na matéria, experimentavam cativeiro perturbador e por isso mesmo, esforçavam-se para alcançar a libertação.

Viviam as experiências terrenas com lucidez, preservando a certeza de que, por mais se alongassem, seriam interrompidas com a morte, prosseguindo noutra dimensão.

Face a essa convicção, jamais se atemorizavam diante da própria morte. Nem dos seres amados.

Viviam no mundo como alunos num internato, como hóspedes e não como residentes fixos.

Martirizados ou perseguidos, recebiam a penalidade como forma de sublimação e de mais fácil ascensão à glória imortal.

O infortúnio do exílio, a separação dos bens e da família, embora os fizesse sofrer, não os desesperava, por confiarem no reencontro futuro e na conquista de valiosos tesouros de paz e autorrealização.

A Idade Média, com suas superstições e fanatismo, envolveu a morte em terríveis sombras, vestindo-a de pavor.

As carpideiras, as vestes negras e roxas, as cerimônias macabras, tudo dava a impressão de horror e desalento em referência à morte.

É hora de retornar às fontes primitivas do Cristianismo. Com a certeza da continuação da vida, a morte passará a ser recebida com serenidade.

Morrer deixará de ser tragédia. Será, sim, o mecanismo que facilitará o renascimento em outra esfera, no Mundo Espiritual.

Sigamos, pois, na sua direção, com tranquilidade e sem temor.

 

Redação do Momento Espírita com base no cap. 29, do
livro
Desperte e seja feliz, pelo Espírito Joanna de
Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.

Em 2.11.2012.

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998