Momento Espírita
Curitiba, 16 de Agosto de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone Ação ponderada

Pequena análise do comportamento humano nos permite perceber o quanto somos capazes de muito reagir e de pouco agir.

Basta uma pequena rusga no trânsito, alguém que altere a voz em uma discussão, e a reação acontece.

Ou ainda, que alguém nos trate rispidamente, ou que falte com a polidez para conosco para que desencadeie uma imediata reação em nós.

Reagimos de maneira impulsiva, algumas vezes, até violenta, e, consequentemente, impensada.

Reagimos, de súbito, para logo mais percebermos que poderíamos ter agido diferente.

Qual animal ferido ou acuado, reagimos para nos defender, sem analisar, refletir ou pensar.

Assim se dá porque vinculados a comportamentos ancestrais, trazemos o ímpeto de reagir, por impulso, por instinto, sem raciocinar.

E, somente depois, a razão nos convida a avaliarmos as consequências do que foi dito, ou a maneira como nos comportamos.

Por outro lado, somos sempre vítimas de nossas reações, enquanto a ação nos permite tomar a atitude que escolhemos, o procedimento que achamos mais adequado.

Se a reação é instintiva, a ação é racional e reflexiva.

Se ao reagir não nos damos conta ou não nos apercebemos do estrago que podemos causar, o agir é analisado e pensado.

Dessa forma, se percebemos que nossa reação gera muito mais dificuldades e problemas do que soluções e tranquilidade, é hora de trocarmos a reação pela ação.

Por exemplo, se fazemos silêncio quando alguém nos dirige impropérios, é a ação da paz que foi nossa opção.

Fácil seria revidar na mesma moeda, reagir da mesma forma.

Desafiador é evitar a armadilha da reação e, lucidamente, optar pela clareza da ação.

Se alguém nos aborda de maneira grosseira, e respondemos com gentileza, paciência e calma, é a ação da nossa compreensão para com o outro.

Talvez fosse mais fácil, pela força do hábito, nos comportarmos com reciprocidade, devolvendo a grosseria que recebemos.

Porém, o grande desafio é deixar de reagir, escolhendo o agir, que gerará sempre melhores resultados, posto que é fruto do equilíbrio e da reflexão.

E a transformação do nosso comportamento acontecerá paulatinamente e será o resultado da disciplina no pensar, que gera o hábito da reflexão, culminando pelo desarmar de nossas atitudes.

Portanto, já não mais vítima das palavras rudes, do comportamento infeliz ou da atitude impensada.

Que a análise e reflexão de nossas atitudes possam fazer com que, aos poucos, a reação ceda lugar a ações, pautadas em um comportamento de paz, lucidez e fraternidade.

*   *   *

Quando reagimos, revidando ofensas, agressões, descuidos alheios, passamos a sintonizar com quem as produziu.

A partir daí, mantemos uma interdependência psíquica, que nos aprisiona em nuvens mentais de sentimentos malsãos, que somente nos prejudicam, física e espiritualmente.

Optemos sempre pela ação ponderada e gozemos de saúde, de tranquilidade, vivendo sem sintonia com aqueles que ainda transitam pelas faixas da inconsequência ou da maldade.

Façamos isso e nos sentiremos leves, felizes, plenificando-nos com as celestes bênçãos.

Redação do Momento Espírita.
Disponível no CD Momento Espírita, v. 30, ed. FEP.
Em 6.9.2016.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998