Momento Espírita
Curitiba, 29 de Março de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Um curso formidável

A vida terrena pode ser comparada a um curso numa escola muito dinâmica. Oferece ao Espírito que nela se matricula uma programação capaz de fazê-lo chegar ao Pai Criador, de forma eficiente e gradativa.

Nesse curso, cada um extrairá dele o que realmente precisa para o enriquecimento do seu currículo.

Cada qual demora o tempo que lhe é devido, em razão do tipo de coisas que precisa aprender, dentro do grande projeto de Deus, chamado eternidade.

O período inicial, a introdução do curso, se chama infância. Todos sabemos que para se conseguir avançar em qualquer curso, a base se faz indispensável. Quem deseja aprender a ler, começa por tomar contato com as vogais, o alfabeto, para depois unir sílabas, palavras e elaborar frases.

A infância é o período em que devem ser trabalhadas as virtudes, os valores, disciplinando as paixões e os maus hábitos.

Quando a criatura chega na adolescência, adentra o primeiro estágio do curso. Nessa fase, expressará tudo o que a infância tenha fixado de grandezas ou de pequenezes, de belezas ou de feiúras, aos níveis do avanço intelectual e progresso moral.

Superados os tempos adolescentes, chegará o segundo estágio, o da juventude.

O período da madureza seria o terceiro estágio, onde quase sempre enfrenta os desafios das realizações do casal, da criação e encaminhamento dos filhos, das conquistas profissionais.

E, finalmente, ingressa no quarto estágio, que seria a velhice. Nesse, pesará toda a bagagem de conhecimentos, de desenvolvimentos que haja elaborado através do tempo. As bênçãos de afetos conquistados, as alegrias pela colheita de ternura, júbilos pelas memórias felizes de feitos, saudáveis lembranças ou lamentos por eventual mau aproveitamento das horas.

Cada fase é importante. Tem suas particularidades. Quando a introdução do curso tenha sido bem feita, isto é, a infância bem trabalhada, a adolescência tenha realizado investimentos para a madureza, com boas ações na juventude, o adulto se apresentará equilibrado.

Se tiverem sido mal feitos os estágios precedentes, menos recursos terá o indivíduo adulto para trilhar com segurança a estrada que lhe está assinalada.

Dessa forma, cada período de vida na Terra se torna importante. O objetivo é o crescimento para Deus que, como zeloso Pai, está sempre atento, por meio de Suas Leis, aos boletins de aproveitamento dos Seus filhos.

Contemplada desse ponto de vista, a vida deixa de ser um simples desenrolar de dias, cheios de tarefas, correrias e cansaço, para se tornar uma oportunidade excelente de progresso.

E quem quer que se conscientize de que participa de um curso de aperfeiçoamento, entenderá que tudo que ocorre tem uma razão para acontecer.

Então, a dificuldade deixa de ser incômoda para se transformar em chance de testar a capacidade de resolver problemas.

A multiplicidade das tarefas que exige atenção não é problemática de difícil solução, pelo contrário, é motivo de disciplina e aproveitamento do tempo.

A enfermidade deixa de ser vista como infelicitadora para se tornar uma amiga que permite testar a possibilidade de superar limites.

Enfim, tudo, a cada dia, ganha destaque e relevância, pois entra no cômputo da graduação para o progresso individual do ser.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita, com base no cap.
Estágios da reencarnação na Terra, do livro Desafios da educação,
pelo Espírito Camilo, psicografia de Raul Teixeira, ed. Fráter.
Em 28.1.2015.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998