Momento Espírita
Curitiba, 21 de Novembro de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone Pacificadores

Cada vez mais frequente se faz o número daqueles assustados pela violência social.

As ocorrências que pareciam distantes, no noticiário, hoje são fatos em nossas relações sociais e familiares.

Somos todos tocados pela violência, senão pessoalmente, através de alguém do nosso círculo familiar ou de amigos.

Deixou de ser apenas um comentário abstrato para ser realidade a se conviver.

Temendo-a, muitos nos trancamos em casa, fechamo-nos em nós mesmos e para o mundo.

Vitimados pela violência, alguns aderimos a ela, tornando-nos agressivos, num mecanismo do instinto animal de defesa.

Armamo-nos, programamos vinganças, planejamos reações frente a um possível roubo, a uma invasão familiar, ou a uma abordagem na via pública.

Vítimas que nos sentimos da violência, nos utilizamos dela mesma para o que alegamos ser nossa autodefesa.

Sem nos darmos conta de que assim agindo, apenas engrossamos as fileiras dos violentos, passamos a atuar como agentes do mal.

Porém, muitos nos cansamos da violência, não suportando mais viver nessa interminável troca de sermos agredidos e revidar, sermos vítima e algoz.

Exauridos e um tanto mais amadurecidos, percebemos ser necessário encontrar outros mecanismos para o combate eficaz contra ela.

Somos os que elegemos a paz como o grande antídoto, não nos limitando à sua definição, ao seu conceito ou em somente a citá-la em frases de efeito.

Somos os que nos tornamos pacificadores, pois que passamos a vivenciar, cultivar e multiplicar a paz.

Nossas ações deixam de ser reativas e passam a ser proativas.

Não nos permitimos ser alvos fáceis da violência alheia, mas também não lhe fazemos coro, nem nos deixamos contaminar por ela.

Somos homens e mulheres que decidimos que nosso falar e nosso agir devem ser de paz e para a paz.

Somos as pessoas que, maltratadas no trânsito pela grosseria alheia, agimos com gentileza.

Quando atingidas pela falta de urbanidade de alguns, no trato cotidiano, optamos por oferecer atitudes de cidadania e respeito.

E quando enfrentamos achaques, mau humor e grosseria de um familiar ou de um colega de trabalho, guardamo-nos no silêncio da paz que cultivamos, aguardando momento oportuno para retomar o diálogo.

Somos os pacificadores do mundo. Somos os que estamos transformando a Terra em um mundo de paz.

Somos os que conseguimos entender a proposta franciscana e a ela aderimos: Onde houver violência, que eu leve a paz.

Unamo-nos nessa proposta.

Façamos de nossas ações, atitudes, diálogos, um hino à paz.

Se nos deparamos com a violência no mundo, que possamos oferecer atitudes de paz.

Será apenas dessa forma, com uma invasão de pacificadores que a violência será banida, não encontrando mais lugar na sociedade.

Que essa mudança parta de nós, que sejamos dos primeiros a aderir à pacificação, tornando-nos seus artífices mais dedicados e valiosos.

Ante o vozerio dos agressivos, sejamos a voz da serenidade.

No tumulto, nos asserenemos e convoquemos os demais à pacificação, cujos efeitos mais imediatos são a tranquilidade, a harmonia, em fomento da paz.

Redação do Momento Espírita.
Em 14.2.2015.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998