Momento Espírita
Curitiba, 19 de Agosto de 2019
busca   
no título  |  no texto   
ícone Adeus, homem velho, Feliz homem novo

Maria da Costa Lourdes Gonzaga foi professora por trinta anos na Comunidade Mont Serrat, região central de Florianópolis, em Santa Catarina.

Segundo suas contas, deve ter dado aula para mais de quinze mil alunos.

Dona Uda, como ficou conhecida, também batalhou por água encanada, esgoto, asfalto e ônibus para a Comunidade de Mont Serrat, na qual ela vive até os dias de hoje.

Aos 78 anos, dona Uda ainda não parou. Coordena o Grupo de Mulheres Antonieta de Barros, é madrinha da Melhor idade e participa das atividades da igrejinha de Mont Serrat.

Ainda, trabalha intensamente para ver nascer a primeira Universidade do morro: participa de audiências públicas e reuniões diversas com representantes do governo, a fim de viabilizar esse projeto.

Dona Uda nasceu no morro Mont Serrat no dia 30 de julho de 1938. Apesar da vida difícil, seus pais muito se esforçaram para realizar o sonho da filha: se tornar professora.

Aos treze anos, a menina foi estudar no Instituto Estadual de Educação, a maior escola pública de Santa Catarina, na qual foi a primeira aluna negra.

Da mesma forma, foi a primeira aluna negra a passar no vestibular da Universidade de Santa Catarina.

Diplomada, foi convidada a lecionar na primeira escola criada em uma favela, situada na comunidade na qual vivia.

Quando as aulas começaram, a professora tinha apenas doze alunos. No final do ano letivo, contavam mais de quinhentos.

A Legião da Boa Vontade cedeu duas salas. A igreja local, uma. Ainda, um morador ofertou uma casa antiga com três cômodos e, dessa forma, todas as quinhentas crianças puderam ter aula.

Na hora do lanche, a mãe de dona Uda preparava lanche para todos.

Era muito bonito de ver. Nós vencíamos qualquer obstáculo. O importante era que nenhuma criança ficasse ociosa, relata a professora.

Ela afirma que seu principal ensinamento não foi o abecedário. Foi alimentar sonhos.

Eu dizia a meus alunos que eles podiam ser o que quisessem. Se uma menina do morro quiser ser médica, ela vai ser. Não há o que segure sua força de vontade, afirma dona Uda.

O estímulo rendeu frutos. Hoje a professora guarda uma caixa cheia de convites de formatura de seus ex-alunos: são médicos, advogados, enfermeiros. Muitos fizeram mestrado e doutorado com a bênção inspiradora da madrinha da comunidade.

Em nome do bem, virei mãe de todos, conta, feliz, a professora.

*    *   *

Ano Novo. Nesse momento especial, no qual nossas esperanças se renovam, separemos o joio do trigo, o que passa do que permanece.

Esforcemo-nos, a fim de levarmos para o ano que desponta somente aquilo que seguirá conosco nas sendas da eternidade: os sorrisos que despertamos, o amor que distribuímos, o perdão que ofertamos e, de forma especial, o bem que fazemos.

Os ressentimentos, o orgulho, a falta de caridade e fé, a vaidade... deixemos tudo para trás, junto do homem velho do qual, pouco a pouco, nos despedimos.

Façamos o bem. Dessa forma, não importa se 31 de dezembro, 19 de maio ou 14 de setembro. Ano Novo se fará no exato instante em que os raios iluminados de nossa boa vontade nos alcançarem.

Renovemo-nos no bem! Feliz Ano Novo!

Redação do Momento Espírita, com base em
 biografia de Maria da Costa Lourdes Gonzaga.
Em 3.1.2017.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2019 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998