Momento Espírita
Curitiba, 08 de Abril de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Lecionando humildade

Eram os dias derradeiros dEle, sobre a face da Terra. E Ele o sabia.

Anunciado Seu nascimento por mensageiros celestes, aguardado pelos séculos afora, Ele afinal chegou.

Viveu com os homens por pouco mais de três décadas. Iniciou o Seu messianato numa festa de alegrias, em Caná, comemorando as bodas de um parente de Sua mãe.

E, na noite daquela quinta-feira ele encerra o Seu messianato, na Terra, comemorando a páscoa judaica, conforme a tradição de Israel.

Após a ceia, Ele despe a túnica, coloca uma toalha sobre os rins, toma de um jarro com água, uma bacia e começa a lavar os pés dos apóstolos.

Surpreendem-se eles. Aquela é uma tarefa exclusiva dos escravos.

Nenhum patriarca em Israel, nenhum pai de família israelita a realizava.

Recebia-se o convidado à porta com um beijo de boas-vindas.

De imediato, um escravo desatava as sandálias do nobre conviva e lhe lavava os pés, diminuindo o desconforto gerado pelo uso das sandálias abertas, naquelas terras poeirentas.

Pedro procura se esquivar. O Mestre é muito especial para se humilhar tanto!

Contudo, como Jesus lhe diz que se ele não se permitir lavar os pés, não terá parte com Ele, em Seu reino, Pedro aceita o gesto.

Concluída a tarefa, o excelente professor da Humanidade toma assento novamente entre os que privam da ceia, e aduz:

Compreendeis o que vos fiz?

Vós chamai-me mestre e senhor, e dizeis bem, porque o sou.

Se eu, pois, senhor e mestre, vos lavei os pés, deveis lavar-vos os pés uns aos outros.

Porque eu dei-vos o exemplo, para que, como eu vos fiz, assim façais vós também.

Quanta grandeza no enunciado!

Primeiro, Ele ensina que nenhum de nós deve se esquivar ao autoconhecimento.

Autoconhecer-se é imprescindível para se alcançar a felicidade.

Dessa forma, Jesus enfatiza que Ele é Mestre e Senhor. Diz-nos, assim, que cada um de nós deve ter consciência das virtudes adquiridas.

Cada qual deve saber o que já conquistou, o seu valor.

Nada de equivocado, portanto, que, numa autoavaliação, nos qualifiquemos como quem já detém uma ou outra virtude, embora não em sua totalidade.

Jesus nos exemplifica.

A segunda lição é a de que, por maiores sejamos, por nossa condição intelecto-moral, por cargos que ocupemos, por responsabilidades que tenhamos, de forma alguma nos devemos aclimatar ao orgulho.

Afinal, que são alguns anos sobre a Terra face à eternidade que nos aguarda?

Além do que, de que nos vamos orgulhar? De uma determinada conquista, de um posto hierarquicamente superior, da avantajada intelectualidade?

Que representa isso, face ao Universo e a Eternidade?

Somos habitantes de um minúsculo planeta em um sistema planetário que tem a sustentá-lo um sol de quinta grandeza!

Pensemos nisso, recordando o ensino crístico e sejamos mais humildes, aprendendo a servir e servir sempre.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. XIII,
versículos 12 a 15 do
Evangelho de João.
Disponível no livro Momento Espírita, v. 7, ed. FEP.
Em 31.1.2017. 

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998