Momento Espírita
Curitiba, 27 de Abril de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone Algo sobre a depressão

Andrew Solomon define a depressão como sendo a imperfeição do amor. Ou como o sofrimento emocional que se impõe sobre nós contra a nossa vontade.

Reflete esse autor que o amor é o que tranquiliza a mente e a protege de si mesma.

Como Espíritos imortais que somos, trazemos nossa própria bagagem emocional, fruto de experiências passadas, marcadas em nosso inconsciente de maneira mais ou menos traumática.

Resultado disso são as distonias e limitações emocionais que carregamos, muitas sem causas aparentes nesta vida.

Por isso, determinadas situações que deveriam apenas nos trazer um leve desconforto, algum pesar, nos arrastam para a depressão, porque se conectam com as marcas deixadas por experiências frustrantes, vividas anteriormente e ainda vivas em nossa intimidade.

Por desconhecermos nosso passado, e não sabermos o que a vida nos oferecerá no futuro, nenhum de nós pode se dizer livre de uma depressão.

Porém, Andrew Solomon, que chegou a ser vítima de severa depressão, insiste: O amor é a melhor ferramenta para lidar com nossos problemas emocionais.

Assim, de forma preventiva ou mesmo durante o processo depressivo, exercitar o amor será sempre uma terapia efetiva.

Isso porque o amor nos leva a enxergar o outro. Para isso é preciso sair de nós mesmos, esquecer, pelo menos, momentaneamente, nossas próprias dificuldades para nos solidarizarmos com a dor e as necessidades alheias.

Funciona como autoterapia para nos entendermos, para nos aceitarmos, para nos curarmos e ainda nos fortalece para enfrentarmos com serenidade as problemáticas emocionais que a vida poderá nos oferecer.

Conta Solomon o caso de Phaly Nuon, vítima de severos abusos durante o regime comunista, no Camboja.

Após vagar fugitiva, por três anos, nas florestas do seu país, ver seu filho de poucos meses morrer à fome em seus braços, ela foi abrigada em um campo de refugiados.

Ali encontrou várias mulheres que, sobreviventes à guerra, não falavam, não se alimentavam, morrendo lentamente de depressão pelo estresse pós-traumático.

Por amor, no intuito de auxiliar a essas pobres mulheres, Phaly Nuon começou a desenvolver sua própria terapia.

Principiou por ensinar a esquecer, envolvendo meditação.

Em um segundo passo, instituiu o trabalho como terapia, dizendo que é necessário aprender a fazer coisas, e se orgulhar delas.

Numa terceira etapa, estabeleceu a necessidade de amar.

A proposta era que as mulheres começassem a cuidar de si mesmas, fazendo as unhas dos pés e das mãos, umas das outras.

Essas pequenas ações aproximam, levam à confiança, à amizade, à intimidade. Então, mesmo sem ser percebido, o amor floresce.

E quando isso acontece, tudo muda em nossas vidas.

Esquecer, trabalhar, amar. Eis a tríade da proposta.

*   *   *

Busquemos amar. Sirvamo-nos dessa ferramenta preventiva, remédio para nossas almas.

Olhemos em torno. Haverá sempre alguém que necessite da nossa palavra, de um conselho, de alguns minutos de companhia, do relato de uma história bela, construtiva, emocionante.

Algo que faça bem à alma.

Serão esses pequenos exercícios de amor, frequentemente alimentados por nossas ações, que ajudarão a curar as feridas que trazemos na alma, algumas desde muito tempo.

Ponhamo-nos em ação.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 1, do livro
 
O demônio do meio-dia: uma anatomia da depressão,
 de Andrew Solomon, da ed. Companhia das Letras.
Em 21.4.2017.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998