Momento Espírita
Curitiba, 22 de Julho de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone Proteção ao lar

É uma casa com tijolos à vista, esparramada sobre um grande terreno num bairro tranquilo da cidade.

Apresenta cuidado primoroso em todos os detalhes, desde o telhado germânico em tom ocre escurecido, as janelas com jardineiras floridas, até o imenso jardim que a circunda por completo, verdejando e embelezando o espaço amplo ocupado na via urbana.

Algo curioso, porém, chama a atenção. Parece destoar de toda aquela paisagem: nas colunas principais, onde se apoiam os grandes portões de ferro que dão acesso à moradia, estão duas figuras horrendas.

São criaturas com cabeça de leão, dentes em posição de ataque e corpo alado, sentados sobre a pilastra do muro imponente. São dois gárgulas.

Que fazem ali?

A figura dos gárgulas remonta à era medieval.

Podemos ainda encontrá-los no alto de algumas catedrais e construções antigas, em formatos distintos.

Nas construções da Idade Média, tinham a função primordial de escoar a água dos telhados para fora dos prédios, não deixando que escorressem pelas paredes.

Também tinham uma segunda utilidade: eram tidos como monstros de eterna vigilância sobre as catedrais góticas e barrocas.

O intuito era sinalizar perigo para quem se aproximasse da igreja com a consciência suja.

Esses ícones também eram tidos como protetores dos sacerdotes e crentes contra os seres malignos que quisessem adentrar a igreja.

Dessa forma, podemos entender a razão dos dois gárgulas postados em frente à bela casa. Estariam ali como proteção para aquele lar.

Isso nos conduz a uma importante reflexão: como estamos cuidando da segurança, da proteção espiritual de nossos lares?

Se na Idade Média, se pretendia que os gárgulas tivessem o poder de proteger os locais onde se encontravam, o que podemos fazer para evitar que as influências espirituais negativas alcancem nossos cômodos íntimos e, consequentemente, nossos lares?

São vários os recursos de que dispomos.

Primeiro: fraternidade e respeito entre os familiares.

Num lar onde predominam atitudes e sentimentos nobres, dificilmente haverá brecha para qualquer influenciação perniciosa.

Fazer o bem sempre nos proporcionará escudo poderoso.

Segundo: união.

Uma família que se mantém unida, que se entende e que pensa no bem de todos evita muitos males.

Quando houver discórdia, que sempre possamos ser a palavra do entendimento, do bom senso, da reconciliação. Isso tornará ineficazes as más influências.

Terceiro: oração.

Mesmo que todos não partilhem da mesma crença para orarem em família, juntos, importante que os pensamentos sejam elevados através de alguma forma de oração.

Mesmo que seja realizada apenas por um dos seus membros, a prece feita com o coração cria uma espécie de redoma protetora para o lar.

O contato com a Espiritualidade superior através desse instrumento será sempre valioso.

Pensemos nisso.

Em tempos de tanta preocupação com segurança, de casas com grades, alarmes, vigilantes, pensemos também na proteção invisível, nos pensamentos e atos que afastam toda e qualquer má influência.


Redação do Momento Espírita.
Em 13.4.2018.

 

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998