Momento Espírita
Curitiba, 21 de Maio de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone A força do agora

O tempo é apenas uma medida relativa da sucessão das coisas transitórias. A eternidade não estásujeita a medida alguma do ponto de vista da duração. Para ela, não há começo, nem fim: tudo é presente.

Esta é uma das contribuições do Espírito Galileu Galilei, que se encontra no livro A gênese, de Allan Kardec, publicada no ano de 1868.

Compreender que tudo é, de certa forma, presente, quando saímos da esfera das coisas transitórias, nos auxilia a ver os dias de forma diferente.

Tudo é agora. Tudo é este instante.

O tempo é o resultado do agora que se une a outro sem solução de continuidade.

Somos nós que passamos pelo tempo. Nós que ligamos umas às outras as experiências, as ações, nossos atos. O tempo é apenas uma forma de medir a quantidade deles.

Sempre somos nós que passamos pelo tempo. Nunca é o tempo que passa por nós.

Tudo que temos é o agora, é este instante. Passado e futuro não estão sob nosso controle, apenas o presente.

Ao se considerar a transitoriedade do tempo, o agora não mais se repetirá nas mesmas circunstâncias e com idênticas possibilidades...

As águas de um rio jamais retornarão ao mesmo leito, e, quando se transformam em vapor e chuva caindo na região, as circunstâncias são outras.

Por isso, vivamos o agora com intensidade e com maturidade.

Viver intensamente o agora é uma atitude de sabedoria que não pode ser adiada. Isso equivale a experienciar as lições da vida sob o ponto de vista da ética e da moral, mediante projetos e compromissos de autoiluminação, conquistando aos poucos as áreas sombrias da personalidade.

Cada agora é dádiva da vida para corrigir, reestruturar, construir.

O indivíduo lúcido está desperto para todas as oportunidades que enfrenta.

A sua consciência está vigilante para retirar sempre os melhores resultados. Inclusive, quando visitado pelo mal, obter o aproveitamento do que seja mais útil.

Mesmo que permaneça indiferente, o agora sinaliza momento de ação.

Por isso, vivamos o agora.

Estejamos completamente presentes em tudo que fazemos, extraindo o aprendizado, a iluminação, a maturidade.

Uma mente que não para no agora, que está sempre no passado ou no futuro, em verdade não está em lugar algum. É quase uma sombra de si mesma.

*   *   *

Num momento de vacilação, Pedro negou Jesus por três vezes.

Noutro momento, Judas teve a dimensão exata do seu crime hediondo e, arrependendo-se, tentou impedir-lhe a execução.

No entanto era tarde porque já havia passado o significativo agora.

Asnossas decisões de um instante vão se refletir nos acontecimentos que virão.

Não podemos retroceder para anular o que passou, mas poderemos iniciar outras iniciativas com os olhos colocados no futuro.

Habituemo-nos, dessa forma, a agir com serenidade em cada momento, de modo que possamos percorrer o curso de nossa reencarnação com sabedoria e retidão.

Jamais subestimemos o poder do agora. Acendamos a luz do amor em nosso íntimo, coloquemos o combustível da ação e sejamos felizes, desde agora.

 

Redação do Momento Espírita, com base no cap. VI, item 2, do livro
A Gênese – os milagres e as predições segundo o Espiritismo,
de Allan Kardec, ed. FEB, e no cap. 5 do livro Seja feliz hoje,
pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco,
ed. LEAL.
Em 9.5.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998