Momento Espírita
Curitiba, 22 de Julho de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone Anjos de plantão

Toda escola promove, com certa regularidade, determinadas festividades, onde as crianças se apresentam.

São danças, pequenas peças teatrais, uma curta declamação, onde os pequenos homenageiam seus pais.

É uma forma da escola mostrar a eles como estão evoluindo seus pequenos, tanto quanto propiciar esse encontro família-escola-professores.

É comum as mães e pais se emocionarem, chorarem mesmo, ao verem aqueles toquinhos de gente dando o máximo de si, para se apresentarem bem.

E todos são aplaudidos, porque sempre tem um pai ou uma mãe que puxa o cordão das palmas.

São momentos especiais. Momentos que se gravam com câmeras de vídeo, câmeras fotográficas, celular mas, sobretudo, com o coração.

Foi com esse espírito que a mãe de Roberto, um adolescente de quinze anos, foi assistir à partida de futebol do campeonato do colégio.

O menino a convidou e ela levou várias de suas amigas consigo.

Ele estava muito entusiasmado porque era uma partida decisiva e, de toda a sua turma, era o único na equipe de futebol.

Aquela era a primeira vez que a mãe assistiria um jogo. Quando terminou, ela foi esperar o filho na porta do vestiário para levá-lo de carro para casa.

Ele veio sorridente, feliz com o resultado e logo a crivou de perguntas:

Mãe, o que achou do jogo? Você viu os três gols sensacionais do nosso time? Viu a defesa?

Viu como, no segundo tempo, conseguimos recuperar a bola, depois de a termos deixado escapar? Que tal, hein, mãe?

Roberto, você foi maravilhoso. Fiquei muito feliz com seu comportamento, durante o jogo.

Você levantou suas meias até o joelho onze vezes. Sei que você estava transpirando muito, porque tomou quatro bebidas energéticas e jogou água no rosto duas vezes.

Achei muito bom quando você saiu do seu lugar e foi dar tapinhas nas costas do número nove, do número cinco e do dezoito, quando eles foram substituídos.

Mãe! Falou o adolescente. Espere aí: como é que você sabe disso tudo? Como você pode dizer que eu fui maravilhoso? Eu nem entrei em campo. Eu não joguei essa partida.

Ela sorriu e o abraçou: Meu filho, eu não entendo nada de futebol. Não vim aqui para ver o jogo. Vim aqui para ver você.

*   *   *

Dificilmente esse garoto haverá de se esquecer de uma tal declaração de amor.

Em algum dia de solidão, ele a deverá recordar, levando-o a se deliciar, outra vez, com o forte e generoso abraço recebido.

E é assim que são as mães. Elas vão ver o seu filho, que, naturalmente, estará ao lado de outros tantos.

Mas, mesmo que ele esteja entre uma multidão, os olhos dela o alcançarão.

Ela estará atenta a todos os detalhes, sabendo se ele está dando o máximo de si, se está cansado, quase esgotado, se está feliz...

Enfim, mães são essas criaturas especiais que ouvem nosso coração bater junto ao seu, meses e anos a fio.

E mesmo depois que crescemos, vamos para longe, formamos nosso próprio lar, temos nossos filhos, continuam a ouvir o nosso coração bater forte, descompassado, triste, feliz.

Por isso, ninguém se alarme se, no meio de uma noite de preocupações e insônia, o telefone tocar e ouvir do outro lado: Alô? Meu filho, tudo bem? Algum problema?

Porque as mães são assim: anjos de guarda sempre de plantão.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. Ron,
de Dan Clark, do livro
Histórias para aquecer o coração
das mulheres, de Jack Canfield, Mark Victor Hansen,
Jennifer Read Hawthorne e Marci Shimoff,
ed. Sextante.
Em 2.7.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998