Momento Espírita
Curitiba, 17 de Novembro de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone Atributos de Deus

A imensa maioria dos homens afirma acreditar em Deus.

Contudo, seus atos nem sempre refletem essa crença.

Corruptos, mentirosos, maledicentes, fraudadores e assassinos figuram dentre os que se afirmam crentes.

É como se admitir a existência da Divindade fosse algo sem relação com qualquer aspecto prático do viver.

Crer em Deus não implica filiar-se a uma associação religiosa.

A Divindade não pertence a uma ou outra religião.

Mas admitir a existência do Criador tem consequências inevitáveis.

É imprescindível viver de acordo com o que se acredita.

Deus é a causa primária de todas as coisas.

Sendo a origem de tudo o que existe, de toda a vida, Ele fornece o sentido e a razão do viver.

Conforme a ideia que faz da Divindade, o homem deve orientar o próprio comportamento.

A Humanidade ainda é muito limitada para compreender a essência do Criador.

Entretanto, a lógica indica o que Ele não pode ser, sem deixar de ser Deus.

Daí se deduz o que Ele deve ser.

É inerente à ideia de Deus a posse de todas as virtudes em seu grau máximo.

Se Ele possuísse em grau menor qualquer virtude, alguém poderia ultrapassá-lO.

Então, esse ser é que seria supremo e ocuparia o posto da Divindade no Universo.

Possuir uma qualidade ao infinito implica a impossibilidade de também ostentar, ainda que minimamente, a qualidade que lhe é contrária.

É impossível que um lenço seja infinitamente branco, mas tenha algumas manchas negras.

Consequentemente, não é possível ser totalmente bom, mas fazer algumas maldades.

A obra da Criação revela, em sua formulação, a presença de uma inteligência que supera enormemente a capacidade do homem mais brilhante.

Conclui-se que Deus é a suprema e soberana inteligência, ilimitada em Seu potencial.

Deus é eterno, pois não teve começo e não terá fim.

Se tivesse tido princípio, alguém ou algo teria existido antes dEle, presenciado o que Ele não presenciou e saberia o que Ele não sabe.

Esse algo lhe teria dado origem e seria o verdadeiro Deus.

Se Deus tivesse fim, alguém poderia sobreviver a Ele e desfazer o que Ele fez.

Deus é onipotente.

Caso houvesse algo que não pudesse fazer, sempre se poderia conceber uma entidade mais poderosa, a qual seria o Ente Supremo.

Deus é soberanamente justo e bom.

A providencial sabedoria das Leis Divinas revela-se em todas as coisas.

O instinto materno, a beleza da natureza, a harmonia do movimento dos astros, tudo isso revela a bondade divina.

Se Deus fosse injusto, em apenas uma situação, já não seria infinitamente bom, pois toda injustiça é uma maldade.

Certamente você concorda com isso.

Mas talvez veja pouca relação entre essa concepção do divino e a sua vida.

Mas reflita:

Deus é infinitamente justo e bom, Ele tudo pode e sabe.

Isso implica reconhecer a impossibilidade de qualquer injustiça persistir em face das Leis Divinas.

Não há absolutamente nada que você faça e fique sem resposta.

Talvez você não perceba de imediato as consequências, mas elas sempre vêm, nesta encarnação ou em outra.

Assim, se você deseja paz e felicidade, seja honesto, trabalhador, justo e bondoso.

A consequência de crer em Deus é a necessidade de comportar-se dignamente.

Redação do Momento Espírita.
Em 7.11.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998