Momento Espírita
Curitiba, 26 de Setembro de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Função educativa

Em geral, vivendo sempre ansiosos, entre sucessos e fracassos, esperamos tudo alcançar pela graça divina. Quando isso não acontece, reclamamos de abandono celestial.

Com o velho hábito de colocar a culpa pelos nossos fracassos nos outros, demoramos a compreender que a vida exige ação correta, e que somente nos esforçando alcançaremos os resultados desejados.

Quantas vezes imaginamos que a proteção divina apenas se faz para os outros, lhes proporcionando sucesso, êxito nas empreitadas.

Esquecemos de que a Terra é um educandário, uma escola onde não apenas aprendemos, mas também corrigimos e aperfeiçoamos nossas qualidades.

Na maioria das vezes, imaginamos Deus ao nosso lado somente quando estamos festejando, sorrindo e gozando felicidade.

Não entendemos, ainda, que as aparentes negativas divinas aos nossos pedidos são, na verdade, em nosso próprio benefício, proporcionando a experiência de que necessitamos.

Desafios que, quase sempre, se apresentam através de dificuldades, sofrimentos, lágrimas e dor. Lições que as leis de Deus nos oferecem para nos reeducarmos, corrigirmos o que nos impede as verdadeiras conquistas.

Normalmente o que pedimos não é o de que mais necessitamos, nem o melhor para nossa felicidade.

Pedimos riqueza e Ele nos proporciona uma vida difícil a exigir muito trabalho.

Pedimos amor e Ele nos envia familiares com dependências a nos pedir atenção e cuidados.

Queremos descanso e observamos longo caminho à espera de nosso esforço.

E não compreendemos que todas as nossas dificuldades aparentemente intransponíveis, trazem a função educativa para nossas almas.

Desejamos o êxito, sem analisarmos as responsabilidades que ele traz consigo.

Sequer imaginamos que para ter saúde integral, além de cuidar do nosso físico, é essencial mantermos nossa mente sadia.

Buscamos o poder, esquecidos de que sendo uma dádiva divina, deve ser corretamente exercido, pelas graves responsabilidades que acarreta.

Quanto mais bens materiais reunimos, maiores e mais severos os testes que a vida nos oferece, pela oportunidade de aprendermos desapego a benefício do próximo.

Os momentos de glória como os de alegrias são, igualmente, desafios para que mantenhamos os pés no chão.

Não devemos nos esquecer de que a Terra é feliz educandário, no qual as lições iluminativas não se apresentam somente em clima de festa, entre sorrisos e sonhos de felicidade próxima.

Sendo assim, quando parece que falta a presença divina em nossas vidas é porque Deus, através das Suas leis, está nos permitindo o crescimento moral.

Dessa forma, os considerados insucessos e aflições devem merecer enfoques mais profundos do que aqueles usualmente identificados sob a ótica dos interesses imediatos.

*   *   *

Jesus, o Mestre Divino, trilhou por caminhos difíceis, para alcançar em plenitude o Seu ministério, exemplificando a função educativa da vida, sempre amparado pelo Pai.

 

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 28, do livro
Luz viva, pelos Espíritos Joanna de Ângelis e Marco Prisco,
psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. LEAL.
Em 8.12.2018.

 

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998