Momento Espírita
Curitiba, 29 de Março de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone E Ele andou pela praia...

A região do mar da Galileia era uma paisagem sem igual naqueles dias abençoados.

As aldeias apresentavam a movimentação própria daquela gente simples, que aguardava um Messias. E o ar puro contagiava as mentes e os corações.

Foi nesse cenário que saíste, Jesus, a andar, naquela manhã, cheio de esperança e repleto de confiança.

Andaste mansamente pelas margens e, ao cruzar com alguns pescadores, os convidaste a Te seguirem.

Como que atraídos por um magnetismo insuperável, eles foram deixando as redes e objetos que tinham nas mãos e, sem olhar para trás, Te acompanharam.

Não sabiam, naquele momento, quem verdadeiramente eras, nem para onde os levavas e o que farias com eles.

Não mediram perigos, inconveniências, cuidados. Apenas Te seguiram mecanicamente, automaticamente...

Seguiram-Te, tomados de uma confiança que não saberiam dizer de onde vinha.

Pouco conheciam do mundo, além dos limites de seus afazeres rotineiros.

Suas vidas se limitavam ao trabalho, suas famílias, seus amigos.

Mas todos sabiam que seriam fiéis ao Teu chamado.

Ao convocá-los, Tu lhes disseste que se Te acompanhassem farias deles pescadores de homens.

De pesca conheciam muito bem, pois que viviam e sobreviviam graças à sua habilidade nas redes, desde seus pais e demais antepassados.

Andavas, e eles Te seguiam. Agregaste outros mais e juntos continuaram...

Mais tarde os reunistes na casa de Simão Pedro, o mais velho dentre todos. Ele teria, talvez, em torno de um pouco mais de trinta anos.

E os tornaste Teus Discípulos, a quem ensinaste aquilo que jamais supunham aprender.

Eram, desde então, Teus irmãos queridos a quem ensinavas com amor, carinho e paciência.

E logo mais os chamavas amigos porque dizias lhes ter ensinado tudo que do Pai trazias como verdades.

A eles transmitiste ensinamentos da Terra e outros do Além, ignorados das massas, naquela época.

Foi a eles que descortinaste pela primeira vez, as Leis Naturais, Divinas e insuperáveis.

Fizeste desses doze homens, que cativaste com amor e para o amor, a mola mestra dos Teus ensinamentos.

Com eles saías constantemente, a caminhar e exemplificar as lições para uma vida melhor.

Ensinamentos de amor para um amor sem limites e sem rejeição.

Apresentaste os ensinamentos básicos para com eles estruturar um complexo de luzes, amor e paz que deveria alterar o cenário do mundo.

Fizeste o convite, eles aceitaram, aprenderam. Estava formado o grupo que implantaria os alicerces do grande empreendimento.

Todos estavam dominados pelo brilho de Teus olhos e pela ternura de Tua presença.

Tornaram-se os construtores do novo mundo, dando-se integralmente à causa abraçada.

Desde então, nunca mais a Humanidade seria a mesma.

Jamais se repetiriam aqueles dias que se transformaram no marco definidor de um futuro, bem diferente do passado.

*   *   *

Bendita a manhã, Senhor Jesus, em que saíste a andar pela praia.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. IV, do livro
Vivendo com Jesus, pelo Espírito Amélia Rodrigues, psicografia
de Divaldo Pereira Franco, ed. LEAL.
Em 11.12.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998