Momento Espírita
Curitiba, 09 de Dezembro de 2019
busca   
no título  |  no texto   
ícone Papel primordial

Quando se lê a respeito da vida de alguns artistas, compositores, registramos o quanto investiram na perseverança para alcançarem o sucesso. Ou realizarem o seu intento.

Impressiona em alguns a sabedoria que deflui das suas produções, apesar de não serem possuidores de títulos acadêmicos.

É o caso do paulista João Rubinato, conhecido como compositor, cantor, humorista e ator brasileiro Adoniran Barbosa.

Nascido no início do século XX, ficou conhecido nacionalmente como o Pai do samba paulista.

O que deflui de suas produções é a filosofia do bem viver, uma sabedoria que não se colhe nos livros, mas na vivência cotidiana.

Ele tinha a peculiar capacidade de observar o dia a dia e oferecer histórias. Histórias de vidas amargas, fatos tristes aos quais ele concedia um sabor de esperança ou de humor.

Seu primeiro sucesso como compositor virou canção muito conhecida. É bem possível que todo brasileiro saiba, senão a música inteira, ao menos o estribilho.

Gravada em 1951, pelo autor, lhe rendeu uns minguados trocados pelos direitos autorais. Mas, Trem das onze mostra uma feição muito particular.

Retrata a fala de um rapaz que precisa deixar a amada porque necessita voltar para casa. Ele mora longe e o último trem é o das onze horas.

Evidencia-se, nos versos, a preocupação de uma mãe que não dorme enquanto o filho único não retorne para casa.

Filho, que por sua vez, lhe tem afeição e confessa que tem uma casa para olhar, ou seja, reconhece a sua responsabilidade, o cuidado que deve oferecer a quem lhe concedeu a vida e com ele se preocupa.

Que lição para os dias de hoje quando tantos filhos saem sem dizer aonde vão, sem informarem a que horas haverão de retornar...

Lição de família, em que o respeito e o cuidado devem ser mútuos.

Mas não foi somente a família que enalteceu o compositor.

Continuando a ensinar cantando, em Saudosa maloca, registramos a demolição de uma casa velha para se construir um edifício.

Entende-se que os que ali moravam estavam em propriedade que não lhes pertencia.

Então, assistem, desolados, a casa ser destruída, a mando dos verdadeiros proprietários.

Reagir? Nem pensar, sugerem os versos. Os donos estavam com a razão. Assim, com dor no coração, os moradores assistiram com tristeza a queda de cada uma daquelas tábuas.

Sem descermos a detalhes, se um ou outro estava com a razão, ou quem tinha o direito de ali residir, o que desejamos ressaltar é essa faculdade de se sobrepor à tragédia.

Essa capacidade de recomeçar de novo. Vamos buscar outro lugar, encontrar outro abrigo para nós.

Relembrando os dias felizes vividos na velha casa, a ordem é começar de novo, sem agredir, nem perturbar ninguém.

Tudo isso com a certeza de que Deus velará por eles porque afirma um dos versos: Deus dá o frio conforme o cobertor.

Quanta sabedoria em versos escritos em frases bem populares.

Podemos imaginar a quantos poderá ter servido como alento, em algum momento.

Algo como: se eles puderam superar algo assim, também podemos. Uma verdadeira filosofia de esperança e de não violência.

É de nos indagarmos se esse não é o papel primordial de quem se torna a voz do povo.

Deus abençoe a todos os que assim espalham a paz no mundo.

Redação do Momento Espírita.
Em 26.11.2019.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2019 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998