Momento Espírita
Curitiba, 27 de Setembro de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Nossa luz

Desde cedo, ela precisara sair do lar para o trabalho, a fim de auxiliar na receita doméstica.

Família numerosa, com sete irmãos, se fazia necessário.

Suas primeiras atividades foram servir como faxineira em casas de família.

Atenciosa, logo percebeu que no mesmo ônibus de que se servia, diariamente, havia outras mulheres que rumavam para atividade semelhante.

Elas eram experientes, algumas há muitos anos na tarefa da faxina, em empresas, bancos, domicílios.

Por isso, resolveu indagar a umas e outras a respeito de algumas dicas quanto a produtos a serem utilizados e como melhor realizar a limpeza de vidros, assoalhos, pisos.

Aprendeu muito com elas e foi aprimorando a sua atividade.

Certa feita, uma daquelas companheiras de profissão, talvez a mais idosa, lhe disse algo muito interessante:

Garota, quando fizer a limpeza, não esqueça das luzes.

Ante sua surpresa, continuou a senhora:

Toda casa tem na entrada, um lustre, ou lâmpadas, para iluminar.

Então, suba na escada e limpe as lâmpadas. Você vai ver como a luz brilhará mais forte.

Rosa colocou em prática, de imediato, a orientação. E nunca mais a esqueceu.

Fazer a luz brilhar mais.

Anos mais tarde, com seu diploma universitário, porque jamais desistiu dos estudos, continuou a lembrar daquele conselho.

Como professora, pensava: Agora, as luzes que devo ajudar a brilhar são as da inteligência desses que são meus alunos.

São luzes interiores, mas que precisam brilhar intensamente para iluminar o mundo.

*   *   *

Todos precisamos fazer brilhar nossas luzes interiores.

Foi o Mestre dos mestres que nos ensinou: Brilhe a vossa luz.

A luz da nossa inteligência, nós a fazemos brilhar quando alimentamos nosso cérebro com conteúdos positivos, importantes. Coisas que acrescentam conhecimento.

Literatura, história, geografia, artes, filosofia, ciências, tudo isso nos ilumina a inteligência.

São luzes que podemos dividir com outros, auxiliando-os a se iluminarem igualmente.

Esse é o grande papel de professores, instrutores de toda sorte. Todos aqueles que compartilham seus conhecimentos, iluminando o caminho por onde passam.

Não é por outra razão que lembramos, com carinho, de tantos professores que se constituíram, em nossas vidas, essas luminárias maravilhosas.

Mas, as luzes que não podemos esquecer de fazer brilhar são as da própria alma.

Para essas valem as boas ações e as virtudes conquistadas.

Algo em que nos devemos empenhar, todos os dias. Afinal, estamos neste planeta, para isso. Para crescermos em intelecto e moral.

Adquirirmos sabedoria. Conferirmos maior brilho às nossas almas.

Esmerarmo-nos nisso é nossa missão, como filhos de Deus na face da Terra. Poderemos, por motivos vários, não conseguir frequentar todos os cursos que gostaríamos.

Poderemos não conseguir falar todos os idiomas que desejamos, mas podemos nos especializar em falar a linguagem do bem, do serviço ao próximo.

Podemos conquistar uma virtude. Quem sabe outras mais, em nossa trajetória terrena. Brilhar.

Pensemos a respeito.

 

Redação do Momento Espírita.
Em 15.8.2020.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998