Momento Espírita
Curitiba, 25 de Junho de 2021
busca   
no título  |  no texto   
ícone Um poema para o mundo

Naquela manhã gelada de inverno, todos os olhos se voltavam para Washington, capital dos Estados Unidos.

Não era apenas mais uma manhã gelada de inverno na capital norte-americana.

Renovava-se, naquelas horas matutinas, o ritual democrático iniciado há mais de dois séculos naquele país: a tomada de posse de mais um presidente eleito democraticamente.

As pompas e circunstâncias, como cabe a esses eventos, embora limitadas pela pandemia, neste 2021, se faziam presentes.

Porém, entre experientes políticos, renomados artistas, famosos e autoridades, surgiu um rosto jovem, de olhar gentil.

Assume o púlpito e sua figura esguia, a beleza de sua tez negra, impactada pelo frio da manhã, chama a atenção.

Não mais que vinte e dois anos de idade, recém-saída da prestigiosa Universidade de Harvard, onde se formou com louvor em sociologia, estava a postos para declamar um poema de sua autoria.

E Amanda Gorman, a jovem poetisa, proclamou ao mundo:

Quando chega o dia, nos perguntamos, onde podemos encontrar luz nesta sombra sem fim.

Encerramos a divisão porque sabemos colocar o nosso futuro em primeiro lugar.

Devemos colocar as nossas diferenças de lado.

Deponhamos as nossas armas para que possamos estender os nossos braços uns aos outros.

Não procuremos o mal, procuremos harmonia para todos.

Deixemos o globo, senão outra coisa, dizer que isto é verdade:

Que mesmo quando tristes, crescíamos;

Que mesmo sofrendo, tínhamos esperança;

Que mesmo cansados, tentamos;

Que estaremos para sempre ligados, vitoriosos, não porque nunca mais conheceremos a derrota, mas porque nunca mais semearemos a divisão, outra vez.

A Escritura nos diz para imaginar que todos se sentarão sob sua própria videira e figueira.

E ninguém nos assustará.

Se quisermos viver de acordo com nosso próprio tempo, então, a vitória não estará na lâmina, mas em todas as pontes que fizermos.

Suas palavras ecoaram daquele parlatório para o mundo.

Nas redes sociais, partes do seu discurso foram comentadas, encaminhadas, marcadas, mais do que de qualquer outra autoridade ou artista de prestígio presente.

Assim acontece quando escutamos com o coração.

Era a posse para o cargo mais poderoso do mundo. O presidente da nação com o maior exército do mundo.

Porém Amanda falou sobre paz, compreensão e harmonia.

Convidou-nos a abaixar nossas armas para podermos abraçar nosso próximo.

E lembrou que nossa vitória estará nas pontes que construirmos e não na lâmina que pode ferir.

São as reflexões que todos precisamos fazer.

Vivemos dias de tumulto e descaso ético.

Dias onde nos enriquecemos sobre as dores atrozes e o túmulo de tantos.

Dias onde a violência e a barbárie parecem ser a tônica do comportamento humano.

Porém, não nos deixemos levar por essa minoria barulhenta.

Os maus são ousados, mas logo perecerão, pois só o bem e o belo são permanentes.

Assim, nos dias de desânimo e tristeza, ouçamos o cantar da jovem poetisa a nos lembrar que não mais conheceremos a derrota, porque não mais semearemos a separação.

Redação do Momento Espírita

Em 11.5.2021.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2021 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998