Momento Espírita
Curitiba, 24 de Abril de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone Ouvindo falar de Deus

Olhando para os céus e observando as estrelas; percebendo os detalhes das flores ou acompanhando a gestação, o nascimento e o crescimento de uma criança, não há como evitar nosso reconhecimento ao Criador da Vida.

Ouvir sobre as conquistas científicas de William Morton, com a descoberta da anestesia cirúrgica; ou Alexander Fleming, que descobriu a penicilina; lembrando Von Mehring e Minkowski e a descoberta da insulina; Robert Hooke, que construiu o primeiro microscópio; Alexander Graham Bell, que inventou o telefone e Santos Dumont, o avião... é ouvir falar de Deus.

Ouvir falar das ações de Madre Teresa de Calcutá e sua dedicação aos pobres em todo o mundo; de Martin Luther King e sua luta pelos direitos dos negros; lembrar de Kofi Annan, que foi secretário geral da ONU, e seu esforço para construir a paz entre as nações; pensar em Dalai Lama, e sua pregação pela vida em harmonia; em Shirin Ebadi e seus esforços pela democracia e os direitos humanos, especialmente os direitos das mulheres e das crianças; em Francisco Cândido Xavier e sua vida dedicada à caridade... é ouvir falar de Deus.

Ouvir sobre as ações humanitárias da campanha internacional de banimento das minas terrestres e da organização Médicos sem fronteiras... é ouvir falar de Deus.

Cada país, cada região do mundo, por intermédio de ditos e feitos, nas mais variadas áreas do pensamento e da ação humana, de maior ou menor significado, terá ouvido falar de Deus, com certeza.

No entanto, a História da Humanidade não é feita somente de grandes realizações. Ela é composta, principalmente, pelas ações anônimas, que acontecem dentro dos lares, nas relações fraternas entre as pessoas, no dia a dia de cada um.

Por menores que sejam, serão importantes para a vida, desde que possam também falar de Deus a quem as presencia ou delas tome conhecimento.

Assim, revejamos nossa autoestima, vejamo-nos na condição de quem está auxiliando na construção do mundo, e nunca digamos impossível para nossos planos, sempre que alicerçados em bons propósitos.

*   *   *

Quando afirmamos é impossível, estamos reprovando qualquer tentativa.

Não estamos vendo a menor validade na História da Humanidade.

Vejamos que sem tentativas, fracassos e acertos, erros e sucessos, não haveria a invenção do carro, do rádio, da televisão, nem do computador, da internet.

Viveríamos na Pré-História.

O mundo seria um lugar sem graça, sem agradáveis surpresas, sem melhorias contínuas.

Dessa forma, descortinemos a janela da alma com mãos operosas no bem, para que se faça mais presente o sol da vida.

Retiremos, dos nossos olhos, as vendas do preconceito para que possamos enxergar a vida em toda a sua grandeza.

Então, entenderemos muito bem a assertiva de Jesus de que é preciso ter olhos de ver e ouvidos de ouvir.

E, com olhos de ver e ouvidos de ouvir, mais e mais encontraremos Deus em nossas vidas.

A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original, lecionou Albert Einstein.

Redação do Momento Espírita, com base
em  
O livro das virtudes para crianças, de
 William J. Bennett, ed. Nova Fronteira.
Em 18.1.2023.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998