Momento Espírita
Curitiba, 24 de Abril de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone Antes de desanimar

Antes de desanimar porque fracassamos em alguma coisa, pensemos que somente alcança o sucesso quem insiste, apesar de tudo.

Fred Astaire, o ator que encantou as telas do cinema dançando, ao fazer seu primeiro teste para o cinema, foi rejeitado. Disseram que ele não sabia atuar.

Sua avaliação assinalava que era careca. Ponto levemente positivo é que dançava um pouco.

O professor de Enrico Caruso dizia que ele não tinha voz, nem condições de cantar. Seus pais queriam que ele fosse engenheiro.

Que extraordinário talento teria perdido o mundo se Caruso não insistisse, tornando-se o famoso cantor de ópera.

Winston Churchill foi reprovado na sexta série. Somente se tornou Primeiro-Ministro da Inglaterra depois dos sessenta anos. Sua vida foi cheia de derrotas e fracassos. Jamais se permitiu desistir.

E talvez poucos saibam: ele foi Prêmio Nobel de Literatura em 1953, por suas memórias da Segunda Guerra Mundial.

Walt Disney foi despedido pelo editor de um jornal por falta de ideias. Podemos imaginar tal coisa?

Antes de construir a Disneylândia, foi à falência diversas vezes. Nunca desanimou.

Richard Bach teve recusada a sua história de dez mil palavras por dezoito editoras. Era a história de uma gaivota diferente, com pensamentos profundos acerca da vida.

Em 1970, a MacMillan publicou a história de Fernão Capelo Gaivota e, em cinco anos, vendeu mais de sete milhões de exemplares, só nos Estados Unidos.

Rodin era considerado um incapaz, por seu pai. Seu tio dizia que ele era um caso perdido. Por três vezes, foi reprovado na admissão à Escola de Artes.

Descrito como o pior de todos os matriculados, não desistiu e deu ao mundo maravilhas da escultura como O pensador, O beijo e Filho pródigo.

Chegou a ficar afastado do mundo das artes por dez anos, quando teve uma de suas obras recusada para exposição. Contudo, em 1900, em Paris, foi lhe destinado um pavilhão inteiro para a Mostra de cento e sessenta e oito dos seus trabalhos.

Ao morrer, o hotel em Paris, onde viveu seus últimos nove anos de vida, se transformou no Museu Rodin.

Os que não se permitem desanimar por seus fracassos, derrotas ou julgamentos precipitados de terceiros, alcançam seus objetivos, concretizam seus sonhos.

Portanto, se estamos a ponto de desanimar, paremos um pouco. Logo descobriremos que existem ainda muitas tentativas a serem feitas.

Há muita gente a ser procurada, muitos dias a serem vividos e muitas conquistas a serem perseguidas.

Não há limites para quem acredita que pode alcançar os seus objetivos, que pode concretizar os seus projetos.

Charles Darwin era considerado, por todos seus mestres e por seu próprio pai, um garoto comum e intelectualmente bem abaixo do padrão médio.

Não se permitiu desanimar e se transformou no pai da Teoria da Evolução.

Pensemos nisso. Tentemos outra vez. E outra mais.

Não nos permitamos abater por críticas, por experiências malsucedidas.

Tentemos de novo e veremos nossos esforços alcançando êxito.

Redação do Momento Espírita, com base no cap.
 Pense Nisso, do livro Histórias para Aquecer o Coração -
edição de ouro, de Jack Canfield e Mark V. Hansen,
 ed. Sextante.
Em 16.1.2023.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998