Momento Espírita
Curitiba, 17 de Junho de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone Justiça Divina

 Eles eram jovens, amáveis e simpáticos. Seus semblantes irradiavam alegria. Amavam-se com esse primeiro amor que se assemelha a uma árvore florida que espera a estação propícia para se transformar em um celeiro de frutos.

Uniram-se por amor. Ele era um modesto empregado e ela  costureira. Viram-se e se amaram. Amaram-se e se uniram.

Ao se unirem, logo pensaram na bênção de um primeiro filho. A moça, olhando gravuras de querubins, pediu a Deus que lhe desse um filho tão lindo como uma daquelas figuras angelicais.

Um ano se passou. O amoroso par juntou economias e preparou o necessário para vestir um recém-nascido.

Ela costurou roupinhas de cambraia com preciosas rendas, conjuntos brancos com finos bordados, gorros, tudo de mais  belo e delicado para receber o seu bebê.

Esperaram o filho que imaginavam belo e que deveria chegar pedindo beijos com seus sorrisos.

Enfim, chegou o momento do parto. Áurea sentiu as primeiras dores e depois de um laborioso período deu à luz um menino.

Logo quis vê-lo, mas seu esposo e as pessoas que a rodeavam simplesmente a olhavam com tristeza.

Entre si trocavam olhares melancólicos e cochichavam algo que ela não conseguia entender.

Por fim, depois de insistir, Áurea acabou por gritar: Vocês não me escutam? Quero abraçar meu filho. Por acaso está morto?

Não, disseram-lhe. É que...o menino não tem braços, nem pernas!

Áurea estendeu os próprios braços e respondeu com ansiedade:

Pois tragam-no. Se não tem braços, nem pernas, ele estará mais tempo em meus braços.

O menino era lindo. Olhos azuis, expressivos, cabelos louros muito abundantes. Os pais o amaram. Mas o pai, quando sua esposa não podia ouvir, dizia com profunda amargura:

Eu queria tanto um filho. E ele veio sem braços nem pernas. Que grande injustiça cometeu Deus para comigo. Se ao menos eu fosse rico, mas sou tão pobre!

*   *   *

Ante um quadro tão doloroso, a Doutrina Espírita nos oferece profundas elucidações, através da lei dos renascimentos, da tese das múltiplas existências, da Lei de Causa e Efeito.

Ela nos permite abrir uma porta para o nosso ontem, o nosso passado, dentro da História da Humanidade terrestre.

Em O livro dos Espíritos, os mensageiros espirituais esclarecem a grande questão do sofrimento, da dor, da enfermidade, afirmando que não são fatores propostos pelo Criador, mas consequências das violações de Suas Leis.

Assim, de acordo com a natureza das faltas cometidas pelo Espírito, ele mesmo escolhe as provas que queira sofrer.

Provas que o levem à expiação das faltas cometidas e a progredir mais depressa.

Deus, na Sua justiça, permite que o culpado retorne ao cenário onde delinquiu, para a retificação dos seus erros.

E como ensinou Jesus: Se  teu olho for causa de escândalo, arranca-o e joga-o fora, as deficiências e mutilações do hoje retratam exatamente a qualidade dos desacertos do ontem.

Mas, como Deus é justiça e também misericórdia, permite que almas devedoras nasçam junto a corações amorosos que as aceitam e as ajudam com devoção, em sua trajetória de resgates e dores.

Por isso mesmo, é comum encontrarmos mães carregando filhos que não andam, sem lamentar o esforço que realizam.

Mães que vivem com filhos de ouvidos e lábios fechados e que, no entanto, lhes falam à acústica da alma, dizendo-lhes do seu amor.

Mães que recebem filhos deficientes de toda ordem e que a eles se dedicam, heroínas anônimas, com desprendimento e amor.

 

Redação do Momento Espírita, com base no cap. Sem braços e sem pernas, do livro Reencarnação e vida, de Amália Domingo Soler, ed. Ide e nos itens 258 e 264 de O livro dos Espíritos, de Allan Kardec, ed. Feb.
Em 15.08.2011.

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998