Momento Espírita
Curitiba, 26 de Maio de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone Paciência

Será a paciência uma das nossas virtudes?

É possível que alguns respondamos, quase de imediato: Sou paciente... quase sempre.

Altero-me quando me tiram do sério, quando a questão é grave.

Em verdade, isso quer dizer que não somos pacientes. Somente, por vezes, temos exercido essa virtude, por alguns minutos.

Isso nos recorda a história daquele homem, que passava por séria problemática financeira.

Estava desempregado desde alguns meses e, devido a sua idade, bem como não ter especialidade profissional, estava muito difícil arranjar um novo emprego.

Há dias, ele não fazia uma refeição decente, algo que realmente lhe pudesse saciar a fome.

O desânimo foi tomando conta da sua vontade. Por isso, na manhã, que apenas se espreguiçava sobre as primeiras horas, perambulava, pelas ruas, sem destino.

Seguia de cabeça baixa, pelo que, em dado trecho do caminho, enxergou no chão o que pareceu ser uma cédula.

Correu em direção ao papel e viu que se tratava realmente de dinheiro.

Não era muito, mas, antes de recolhê-lo da calçada, olhou para todos os lados, para ver se ninguém por perto reclamava a sua posse.

Não, não havia ninguém com ares de ter perdido alguma coisa.

Tornou a olhar, pensando que, eventualmente, alguém poderia estar brincando com ele.

E pensou: É bom demais para ser verdade!

Apesar da quantia não ser expressiva, serviria para lhe amenizar a fome nesse dia.

Quase num sobressalto, ajuntou a nota, desamassando-a.

Porém, que decepção! Era apenas a metade da cédula.

Irritado, rasgou em pedacinhos o pedaço de papel, jogando-os num bueiro.

Continuou a caminhada, de mãos nos bolsos, esbravejando em pensamento.

Contudo, alguns metros adiante, para surpresa sua, encontrou a mesma nota. Era a outra metade da primeira!

*   *   *

Os grandes problemas da impaciência são as perdas que o impaciente sofre em decorrência de suas atitudes.

A primeira delas é, obviamente, a perda da serenidade.

Sem serenidade, não temos condições de avaliar com frieza as circunstâncias que nos envolvem, de modo que possamos enxergar as saídas e soluções possíveis.

Perdendo a serenidade, perdemos também o bom senso.

Sem ele, nos tornamos impotentes, ou apenas nos sentimos impotentes.

Paciência é respeito.

Respeito aos outros e a nós mesmos.

Verificaremos que é muito mais produtivo trabalharmos pacientemente do que nos irritarmos com o que não será modificado do dia para a noite.

Ademais, quem não sabe esperar, também não sabe usufruir!

Também não alcança o que almeja.

*   *   *

Thomas Edison, o grande inventor, estava na tentativa de número seiscentos e sete para incandescer um filamento e conseguir inventar a lâmpada.

O seu assistente, cansado, insistiu para que ele desistisse.

Edison perseverou. O resultado, todos agradecemos: a bênção da luz elétrica.

Paciência, dessa forma, não significa passividade, indolência ou subserviência.

Paciência é a atitude inteligente de quem compreende que tudo tem seu tempo. Também que, para alcançar o que desejamos, é preciso insistir, perseverar.

Redação do Momento Espírita.
Em 3.3.2023.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998