Momento Espírita
Curitiba, 17 de Junho de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone A conduta correta

Em alguns ambientes e setores da sociedade, há uma extrema preocupação com resultados.

Por exemplo, no meio empresarial o foco costuma ser o lucro.

Nas escolas, a obtenção de boas notas.

Em concursos, lograr aprovação.

Não há nada de errado em buscar eficácia no que se faz.

O problema em supervalorizar os resultados é concluir que os fins justificam os meios.

Ou levar esse paradigma para todos os aspectos da existência.

É ótimo quando bons resultados surgem. Mas, em variadas situações, eles não são o aspecto primordial.

Em questões morais, não dá para agir a fim de obter a consequência mais favorável.

Muitas vezes, apesar de um proveito mínimo ou inexistente, é preciso perseverar.

A respeito, convém refletir sobre a passagem evangélica conhecida como O óbolo da viúva.

Nela, Jesus afirma que duas moedas doadas por uma pobre viúva representavam mais do que os tesouros ofertados por outros mais abastados.

Em uma visão objetiva e mundana, as amplas ofertas dos ricos certamente tinham maior valor.

Mais coisas poderiam ser compradas com elas do que com os centavos saídos das mãos da viúva.

Ocorre que para essa a doação exigiu sacrifício, pois ofereceu o que lhe faria falta.

Extrai-se daí a lição de que a correção da conduta vale por si só.

Pouco importa que os resultados sejam insignificantes, pelos padrões do mundo.

Este ensinamento é muito precioso.

Em questões capitais da vida humana, não dá para agir com base no interesse em atingir determinado fim.

Quem age exclusivamente por interesse, ainda que esse seja bom, é moralmente frágil.

Se a conduta é difícil ou se o resultado demora, esmorece.

Pode ficar tentado a alterar seu comportamento para melhorar a situação.

Já quem se ocupa primordialmente do dever e nele encontra justificativa logra seguir firme.

A dignidade vem do comportamento correto.

Quem consegue manter dignidade em face de situações muito adversas revela grande valor moral.

Sinaliza estar disposto a acumular prejuízos os mais variados, para viver o que julga ser certo.

Imagine-se uma mãe cujo filho seja desequilibrado.

Se ela não entender que seu dever reside em fazer o melhor, pode se sentir uma perdedora e desanimar.

Ela não tem condições de alterar o caráter do filho à força.

Pode educar, exemplificar e confiar na vida.

Mas o filho se modificará em seu ritmo próprio.

Não é o resultado que confere o mérito, mas a dificuldade em manter a reta conduta.

O resultado depende das injunções do mundo e da vontade alheia, sobre as quais não se tem domínio.

Já o controle sobre o próprio comportamento é total.

Pense nisso.

Redação do Momento Espírita.
Disponível no livro Momento Espírita, v. 10, ed. FEP.
Em 12.1.2017

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998