Momento Espírita
Curitiba, 17 de Junho de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone Jesus, sempre Jesus!

Ante o panorama de tantas guerras entre os homens; ante a explosão estarrecedora da violência e dos injustificáveis atentados à vida humana, supliquei ao Mestre Amado:

Senhor Jesus!

Nunca a Terra precisou tanto do Teu respaldo sagrado, de Tua mão misericordiosa, de Teus cuidados.

A Humanidade sofrida clama por piedade, à medida que a onda truculenta do mal invade as praias de nossas benditas esperanças.

O coração do homem de bem sangra, seus olhos derramam lágrimas amargas e a mente Te busca num pedido de socorro, de luz que venha clarear o caminho.

Senhor Jesus!

Os homens de bem se veem tão desarvorados, frente a tantas amarguras e atos revoltantes.

Maldade e ganância dos inconsequentes chega a extremos inconcebíveis.

São tantas as vulgaridades querendo ser eleitas como justas e aceitáveis.

Tão grande a hipocrisia dos mandatários terrenos.

Tão enganadoras as ilusões que os move nessa bancarrota sem limites...

Tanta avidez em subverter valores sedimentados.

Tantas mentiras querendo posar de verdades supremas.

Tanta dor, tanto sofrimento, tanta desilusão na alma dos que ainda titubeiam na busca da verdade.

Tanta aflição no coração das mães que temem pelos filhos que embalam.

Então silenciei, meditei, ponderei. E dei-me conta de que o Mestre a tudo isso previu. E deixou a rota segura para quem O buscasse.

Dirigi-me à biblioteca e busquei o roteiro bendito que Ele nos legou.

Uma vez mais mergulhei a mente na leitura do Evangelho de luz, encontrando ali o meio de acalmar essa agonia que nos invade nestes momentos de dores superlativas, na face da Terra.

Encontrei a primeira gota de consolo ao me deparar com o Seu convite:

Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei. Pois é suave o meu jugo e leve o meu fardo.

Em seguida constatei que as bem-aventuranças por Ele anunciadas renovam nossas esperanças, acalmando nossos corações, nos ajudando a resistir ao mal, e nos fazendo instrumentos de Sua vontade:

Bem-aventurados os que choram, pois que serão consolados. Bem-aventurados os famintos e sequiosos de justiça, pois que serão saciados.

Bem-aventurados os que sofrem perseguição pela justiça, pois que deles é o reino dos céus.

E nos elucida ainda mais, ao nos convidar a mantermos puros os nossos corações, a sermos brandos e pacíficos, nos conclamando à misericórdia para com todos.

Esclarece-nos que devemos perdoar para sermos perdoados.

Mais, a perdoar setenta vezes sete vezes cada ofensa recebida, e que esse perdão precisa ser um ato do coração.

Também que perdoar aos inimigos é obter perdão para si próprio, pois quem de nós dele não necessita?

Ensina-nos a sermos indulgentes porque a indulgência atrai, acalma, ergue, ao passo que o rigor desanima, afasta, irrita.

E finalmente, salienta a necessidade de amarmos ao próximo como a nós mesmos, estabelecendo que esse é o mandamento maior.

*   *   *

Sublime irmão e amigo, Te louvamos e Te damos graças pela paciência que nos dedicas nesta romagem que empreendemos pelas portas estreitas da autoconstrução.

Nossa gratidão, Senhor Jesus!

Redação do Momento Espírita, com transcrição  de frases do
 
Evangelho de Mateus,  cap. 5, versículos 4, 6 e 10 e cap. 11,
  versículos 28 e 30.
Em 24.2.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998