Momento Espírita
Curitiba, 15 de Julho de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone A confiança de Deus

Muitas vezes, nos deixamos invadir por sentimentos de desalento. Pensamos que não somos capazes de realizar ações no caminho do bem e colaborar com nosso semelhante.

Acreditamos não merecer a confiança de Deus.

Afinal, não temos virtudes suficientes para contribuir na grande obra de reformulação do mundo.

Quando esses pensamentos nos ocuparem a mente, paremos por alguns instantes e reflitamos.

Será que tudo que ocorre em nossas vidas não está relacionado com a confiança do Pai Eterno em nós?

Vejamos: é porque Deus confia em nós, que nos entrega uma família para cuidar.

Alguns nos tornamos pais e mães. Outros, sem filhos da própria carne, albergamos na alma sobrinhos, afilhados, ou apenas conhecidos, que educamos para a vida.

E é justamente, no devotamento a essas criaturas, que nos são confiadas por Deus, que aprimoramos nossos sentimentos, que cultivamos amor e respeito, que exercitamos a renúncia, a paciência, a colaboração.

Afinal, é para aqueles que temos sob nossos cuidados que estão direcionadas as nossas primeiras preocupações.

Identificamos a confiança de Deus em nós ao nos possibilitar desenvolver tarefas, servindo-nos da nossa inteligência.

Por contar conosco, com nosso espírito de responsabilidade, é que Ele nos permite empreender atividades que poderão influenciar muitas pessoas para o caminho do progresso.

Por confiar em nós, Seus filhos, nos delega a tarefa de nos tornarmos auxiliares na melhoria do planeta.

Também por isso nos concede o livre-arbítrio.

Graças a essa opção de escolha, elegemos nosso caminho e vamos nos sentindo felizes, à medida que colhemos os frutos da nossa boa semeadura.

É porque Deus tem a certeza de que podemos exercitar o discernimento, que nos permite o desenvolvimento de competências, de habilidades, com as quais podemos melhorar, instruir e elevar a nossa e a vida de nossos irmãos.

Deus confia em nós, em cada um de nós, tenhamos certeza disso.

Toda possibilidade da criatura, na edificação do bem, é concessão do Criador.

Dessa forma, como o Pai tem tanta confiança em nós, de igual forma tenhamos confiança nEle.

Tenhamos a certeza da Sua presença em nossas vidas. Saibamos reconhecer as infinitas bênçãos que Ele nos concede.

E nos sintamos gratos por podermos colaborar na Sua divina obra.

Não somos criadores da vida, mas somos honrados com a chance de sermos co-criadores com Ele.

Não somos os que podem atuar sobre o sol, a chuva e os ventos, mas podemos ser os que auxiliam no cultivo das mudas e no crescimento das lavouras.

Não somos os que podem determinar a manutenção da saúde das criaturas, mas podemos ser os que contribuem para lhes manter o bem-estar físico e emocional.

Não podemos definir a permanência dos seres humanos por mais anos, neste planeta, o que somente compete ao Ser Supremo.

Mas, podemos, como seres diligentes, contribuir para a redução da desnutrição, da fome dos nossos irmãos e lhes estender a mão, dizendo: Prossigamos.

Filhos de Deus. Detentores da Sua confiança. Vivamos e sirvamos ao bem.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 11, do
 livro
Coragem, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de
Francisco Cândido Xavier, ed. CEC.
Em 1º.12.2021.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998