Momento Espírita
Curitiba, 24 de Abril de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone Somos deuses, somos imortais

O Mestre de Nazaré reprisa os textos antigos e recorda, conforme os apontamentos do Evangelista João: Não está escrito na vossa Lei: Eu disse: sois deuses?

A interrogação conduz nossa memória a deuses da mitologia grega, romana, nórdica. Tantos que, por vezes, chegamos a nos confundir.

Em nossa mente desfilam Júpiter, o deus do dia, do céu, do trovão e rei dos deuses, na mitologia romana; Apolo, o deus grego do sol, patrono da luz, da música, da medicina, das artes, da profecia;

Kali, na Índia, deusa do tempo, da destruição, da morte, da criação, da preservação, da guerra e do poder.

A mitologia nos fala, ainda, de que, periodicamente, esses deuses se manifestavam aos homens, através dos chamados hierofantes, profetas, das sibilas...

Eram Espíritos. E é esse exatamente o sentido de deuses. Somos Espíritos.

Nossa divindade está em nossa possibilidade de evoluir, de nos desenvolvermos intelectual, afetiva, emocionalmente, realizar o nosso progresso em todos os níveis, ao infinito.

Não existem limites para o nosso progresso, não existem limites para a nossa evolução.

Lembramos da escada simbólica de Jacó, no Velho Testamento, pela qual se pode subir indefinidamente da Terra na direção dos céus.

É uma simbologia que nos fala da evolução dos deuses, dos Espíritos, nós, em nossa ascensão infinita.

Somos deuses. Por isso nos cabe realizar o que realizam os deuses: esforços em prol de nossa própria renovação e da renovação do mundo.

Quanto progresso já alcançamos.

Da escrita à imprensa; do telefone de Graham Bell, ao rádio, televisão, computador, a informática.

Temos informática desde o comércio da loja ao nosso telefone celular, aos aviões, aos satélites que são mandados ao espaço.

Tudo nos utilizando desses progressos notáveis que nós, os deuses terrestres, conquistamos.

Vivemos a era digital, em que as informações transitam em velocidade instantânea e há comunicação direta entre as pessoas, sem limites de tempo e espaço.

Na área médica, nos surpreendem as vacinas, os tratamentos, as cirurgias, as microcirurgias, quando médicos notáveis operam fetos no ventre de suas mães.

Encantamo-nos com tudo isso e nos damos conta de que ainda nos achamos no planeta Terra, um planeta de provas e expiações.

Temos múltiplas razões para imaginar, para sonhar, para especular a respeito de como será a nossa realidade quando a Terra for melhor do que é, quando nós formos melhores do que somos.

Se agora, com todas essas dificuldades, com todas essas deficiências que portamos, conseguimos feitos tão notáveis, o que será do amanhã quando formos pessoas mais dignas, mais moralizadas, mais éticas?

Quando nos aproximarmos mais do pensamento de Deus? Quando formos mais justos, mais fraternos, mais irmãos?

Ficamos a sonhar com esse dia quando a Terra será um verdadeiro paraíso, um paraíso terrestre.

Somos deuses com um grande poder de inventar coisas surpreendentes.

Lembremos de nos servir desse nosso grande potencial para promover a concórdia entre todos, a paz individual, a paz no mundo.

Sejamos deuses da paz.

Redação do Momento Espírita, com base no Programa televisivo
 
Vida e Valores, nº 158 e na pt. 2, cap. 9, do livro Vida e Valores,
v. 3, de Raul Teixeira, ambos ed. FEP.
Em 28.4.2022.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998