Momento Espírita
Curitiba, 26 de Maio de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone O começo das dores do parto

Jesus, do alto da perfeição de um Espírito que havia alcançado todas as excelências da alma, visualizava igualmente o futuro.

Como um peregrino experiente, falou aos que ensaiavam os primeiros passos do caminho.

O caminho, no caso, a evolução humana, a construção intelecto-moral do Espírito através das tantas eras.

Ele, como um Ser Perfeito, já havia trilhado toda a senda desde a Sua criação, como Espírito simples e ignorante, alcançando a perfeição. Estado de Espírito Puro.

Quem melhor para instruir? Quem melhor para guiar? Quem melhor para dizer: A estrada será desse jeito se vocês agirem desta forma. Será desse outro se tomarem tais decisões. E assim por diante.

Quem melhor para relatar as paisagens que seriam vistas durante todo esse processo? E quem melhor para descrever toda marcha?

O que muitos chamamos de profecia, nada mais era do que a narrativa de Alguém que enxerga os caminhos do alto de um monte.

E Jesus fez algumas.

Naquele que ficou conhecido como o sermão profético, narrado pelo Evangelista Mateus, ele afirmou:

Vede que ninguém vos engane! Pois muitos virão em meu nome dizendo: eu sou o Cristo. E enganarão a muitos.

E estareis na iminência de ouvir de guerra e relatos de guerras; olhai, não vos alarmeis, pois é necessário que essas coisas aconteçam, mas ainda não será o fim.

Pois se levantará nação contra nação, reino contra reino; haverá fomes e terremotos em todos os lugares. Todas essas coisas são o começo das dores de parto.

Neste tempo, muitos se escandalizarão, entregarão uns aos outros e odiarão uns aos outros. Muitos falsos profetas serão levantados e enganarão a muitos.

E por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará, mas, quem perseverar até ao fim, esse será salvo.

Este evangelho do reino será proclamado em toda terra habitada, para testemunho a todas as nações. E então virá o fim.

Analisando o espírito além da letra, encontramos tesouros nas palavras de Jesus.

Vejamos que Ele narra a transição do planeta, uma grande mudança moral. Muitos se oporiam a ela, muitos falariam em Seu nome.

Ele se utiliza então de um termo belíssimo que poderia resumir toda essência da transformação humana: O começo das dores do parto.

É exatamente o que estamos vendo. As dores do parto. Duras, fortes, assustadoras. Por vezes, querendo nos fazer desistir.

Contudo, são dores que nos levarão a um parto, isto é, a uma nova vida.

É necessário que venham essas dores. É necessário que o parto seja dolorido, pois toda transformação exige sacrifício, renúncia, esforço. Exige que deixemos para trás uma parte de nós.

A Terra vive as dores do parto, mas não são as dores do fim.

Perseveremos todos. Doemos nossa contribuição de esforço, igualmente. Fiquemos todos unidos para contemplar a vida nova nascendo, dando seus primeiros sinais de beleza.

Um novo mundo nos espera, um mundo feito com cuidado e zelo, construído com o trabalho de cada um de nós.

Redação do Momento Espírita, com transcrição do
 Evangelho de Mateus, cap. 24, vers. 4 a 8 e 10 a 14.
Em 30.5.2022.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998