Momento Espírita
Curitiba, 26 de Maio de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone É bem simples ser feliz

É comum comentarmos o que acontece de ruim conosco.  Incrível é que despendemos muito tempo relatando, com detalhes, o ocorrido.

Reclamamos nas redes sociais, nos grupos de whatsapp, na sala de café da empresa, nas conversas com a família e os amigos.

Quando ficamos indignados por algum acontecimento que se deu de forma totalmente contrária à nossa vontade, temos a capacidade de reprisar nossas falas, dezenas e dezenas de vezes.

Basta que alguém nos cumprimente, para começarmos nossa ladainha: Soube do acidente? Viu a desgraça que a chuva provocou?

Por sermos assim, tão repetitivos, quando não anunciadores de problemas ainda maiores, que logo nos deverão alcançar, é que não somos felizes.

Será que, neste mundo, do qual o próprio Mestre Jesus disse que teríamos aflições, é possível se ter um pouco de felicidade?

Alguns somos tão fixados nos problemas que até alteramos a fala de Jesus, registrada pelo Evangelista João, acrescentando: No mundo só tereis aflições.

Não se dão conta de que Jesus aduziu: Tende bom ânimo, eu venci o mundo.

Proponhamo-nos, portanto, a sermos felizes. Podemos começar criando o hábito de, a cada noite, anotar em um caderno: Pelo que devo me sentir grato, ou me sentir feliz por este dia?

Mesmo em dias ruins, veremos que podemos agradecer por estarmos vivos, no planeta, por termos um teto sobre nossa cabeça, por termos uma cama para dormir, pelo prato de comida que nos saciou a fome.

Pela fruta que saboreamos há pouco. Pelo pedacinho de chocolate.

Coisas simples, mas tão importantes. Podemos agradecer pela roseira, que plantamos há tanto tempo, ter nos oferecido seu primeiro botão.

Podemos agradecer pelo filho que nos abraçou apertado e segredou ao ouvido: Eu te amo.

Podemos agradecer por termos sobrevivido à pandemia, por termos um emprego, embora ainda não tenhamos alcançado o patamar salarial pretendido.

Podemos agradecer pela audição, pelo paladar, pelo tato.

Já nos demos conta de que maravilha é o tato? Acarinhamos a rosa aveludada, alisamos o pelo macio do nosso cão, sentimos o calor da mão que envolve a nossa em amizade.

Quantas coisas boas acontecem em nossas horas. O que parece é que batem na gente e não colam. São repelidas por nós.

Tão bom seria se aprendêssemos a reviver esses cinco minutos de felicidade celebrando e curtindo mais e mais.

Como fala a canção, tantas vezes ouvida: Recordar é viver novamente o amor, um momento feliz do passado.

A saudade nos traz um sorriso, uma flor, um carinho que estava guardado.

Ao abrir-se a cortina do tempo, que bom!

O passado se torna presente.

Foi feliz o poeta que disse recordar é viver novamente.

Abramo-nos para a gratidão. Permitamo-nos reviver as coisas boas.

Lembrando e relembrando, vamos esmiuçando detalhes. Logo, aprenderemos como é simples ser feliz.

Mesmo que seja por apenas alguns minutos.

Na soma dos dias, teremos tantas coisas para lembrar, coisas que nos fizeram sorrir, ou rir descontraídos.

Coisas que nos alimentaram a alma, adoçaram as horas, massagearam a nossa alma.

Pensemos a respeito. Comecemos agora.

Redação do Momento Espírita, com base no artigo Você está
 revestido de teflon?, de Paula Abreu, da revista Vida Simples,
nº 179, de janeiro/2017, ed. Caras; na Valsa da Saudade, de
 Francisco Petrônio e no
Evangelho de João, cap. 16, vers. 33.
Em 21.3.2023.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998