Momento Espírita
Curitiba, 24 de Abril de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone Conceito de felicidade

Nos dias atuais, temos conceitos sobre tudo. Os mais variados, os que se assemelham e os que se mostram totalmente diferenciados.

O filósofo Platão alertava que não há nada pior do que os conceitos, as palavras esvaziadas, pois isso impede a transmissão do conhecimento.

Felicidade é um deles.

O ser feliz de hoje parece desconsiderar todas as boas contribuições do conhecimento que já tivemos nesse sentido.

Bons pensadores, grandes filósofos, almas missionárias nos deixaram legados valiosos.

É ainda Platão quem nos fala da felicidade como resultado de uma vida e um conhecimento progressivo até atingir a ideia do bem.

Para Aristóteles, a felicidade está na virtude, na conquista desses valores do Espírito que nos colocam em contato com nossa essência.

Para Epicteto, outro filósofo, a verdadeira felicidade é um verbo. É o desempenho contínuo, dinâmico e permanente de atos de valor.

Buscando essa vida em expansão, segundo ele, nossa alma amadurece, nossa vida tem utilidade para nós mesmos e para as pessoas que tocamos.

Percebemos que todos eles, embora trazendo nuances distintas, apontam para o caminho de dentro do ser e nunca de fora.

Felicidade não depende de acontecimentos externos, não depende de circunstâncias nem dos outros ao nosso redor.

Fica mais fácil entender que associar a felicidade à mera busca de satisfação de desejos ou prazeres momentâneos é diminuí-la, menosprezá-la, ou pelo menos confundi-la com sensações ou sentimentos.

Momentos de alegria, momentos de desfrute, de prazer, quando dignos, podem até compor parte da edificação de nossa felicidade, mas não são a felicidade em si.

Assim, pode-se ser feliz vivendo momentos de alegria e de tristeza, momentos de lutas, de dor e instantes de júbilo. São paisagens e cenários do caminho de todos.

Felicidade é construção na alma e da alma.

Quando Jesus traz a proposta do amor nas três grandes dimensões para nossa vida - a Deus, ao próximo e a nós mesmos - sintetiza o caminho para a construção do nosso ser feliz.

Só é feliz aquele que cumpre os deveres para com Deus, para com o próximo e para consigo mesmo.

Entendendo aqui, não um cumprir deveres impositivo, de uma força externa que nos obrigue a realizar algo contra nossa vontade.

Pelo contrário, dever no sentido de encontro com nossa essência, de buscar aquilo que nos pertence, que dá sentido à nossa vida.

Entendendo, por fim, a felicidade como construção diária, como edificação íntima, o que nos impede de vivê-la ainda hoje?

Mesmo que seja um pouco, mesmo que seja tímida, mas alguma porção já pode ser desfrutada.

Felicidade de quem é grato pela vida.

Felicidade de quem luta e faz a sua parte.

Felicidade de quem se supera sempre que possível.

Felicidade de quem está vencendo suas imperfeições.

Felicidade de quem está se conhecendo, acolhendo-se como está e percebendo quanto ainda pode vir a ser.

Felicidade de quem ama e que se ama.

É tempo de ser feliz.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita
Em 7.8.2023.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998