Momento Espírita
Curitiba, 26 de Maio de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone Querer antecipar a primavera

Querer antecipar a primavera

É fechar os olhos para as flores invernais.

É perder a chance de esquentar as mãos,

De fechar a casa e viver do próprio calor,

Um tanto mais...

*   *   *

Em tempos de ansiedade, em tempos de aversão a qualquer tipo de desconforto passageiro, estamos deixando de aprender com o tempo do agora.

Vemos os dias da semana como meros sacrifícios para chegarmos numa sexta-feira à noite.

Vemos as horas do dia como inimigas, que nos impedem de alcançar as seis da tarde, que consideramos a hora da libertação do trabalho.

Vemos os meses do ano como fardos a serem carregados para que alcancemos logo o período das férias.

Feriados são caçados a dedo nos calendários, como sendo a salvação para os dias enfadonhos.

Tudo isso como se a vida fosse uma sucessão de aflições constantes, de fatos, coisas e pessoas que temos que tolerar para podermos usufruir, apenas, de breves e fugazes momentos de felicidade.

Queremos antecipar a primavera. Não somos capazes de admirar as belezas do inverno e o tudo que ele nos traz.

Podemos, talvez, dizer que essa seria uma conduta masoquista. Admirar o que não se gosta? Curtir o incômodo?

No entanto, não se trata disso. É uma constatação bem mais profunda, que começa com a ideia de que nem tudo que parece ruim, nos faz mal.

Aquilo que dizemos não gostar, o frio intenso do inverno, por exemplo, é um convite a desenvolvermos outras habilidades.

Toda adversidade é um desafio. Todo desafio é uma proposta da vida para uma mudança de patamar, de perspectiva. É uma proposta de crescimento.

Crescemos pelo amor e pela dor. Por que não?

Não essa dor gratuita que provocamos, que criamos sem necessidade, mas a dor das provas, do esforço, do ir um pouco além.

Quem se fecha para os invernos na vida, em estado de pura revolta, não percebe quantas flores desabrocham nessa estação.

E podemos falar literalmente.

A primavera é conhecida como a estação das flores. No entanto, existem muitas e muitas flores que aparecem em plena estação fria.

Vejamos a cerejeira, o pessegueiro, a tulipa, o crisântemo, os lírios.

Por que fechar os olhos para elas? Por que perder a chance de andar pelos jardins em dias frios, se podemos nos proteger do vento gelado?

Os tempos mais duros têm muito a nos ensinar. As segundas-feiras não precisam ser tão difíceis. E as quartas podem ser tão agradáveis quanto os feriados.

Inverno é tempo de olhar para dentro, de nos recolhermos, mas não de tristeza, de desistência.

Aproveitemos a beleza de cada estação, sem desejar antecipar a próxima.

Acalmemos o coração. A vida não é uma coleção de breves instantes de felicidade, de júbilo, de finais de semana ou de férias sonhadas.

A vida é o que acontece no meio de tudo isso.

A felicidade não está somente nos prêmios. Está também e, muito mais, no caminho construído para alcançá-los.

Pensemos nisso. O inverno pode ser tão belo quanto a primavera. Não queiramos antecipar as estações.

Redação do Momento Espírita
Em 17.10.2023.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998