Momento Espírita
Curitiba, 24 de Abril de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone Ainda eu, ainda Deus

Depois da chuva; depois das guerras;

Depois da colisão com Andrômeda;

Depois que tudo voltar a ser Atlântico;

Depois do sol apagado; das ilusões desfeitas;

Do impermanente.

Depois do material e do irreal;

Ainda eu; ainda Deus.

*   *   *

Uma aflição se abate sobre a Humanidade quando se fala em depois, quando se fala no que vem após isso tudo, após a vida, após o planeta...

A lei de destruição atua incessantemente, renovando o que é material e mostrando a continuidade do incorpóreo.

O nosso sol tem data para se apagar. O planeta Terra, como conhecemos, após cumprir bravamente seu papel, não mais poderá ser habitado por seres como nós.

Nossa galáxia está em rota de colisão com a vizinha, Andrômeda. Estima-se que, em quatro ou cinco bilhões de anos, teremos uma nova galáxia formada.

E o que será da Humanidade?

Não nos preocupemos. Todos esses fenômenos fazem parte das leis do Universo.

Quando chegar esse tempo e, eventualmente, o planeta não mais propiciar condições à vida como conhecemos, já estaremos habitando novos astros no Universo.

A Terra não é o único planeta destinado às provas e às expiações.

Ainda pensamos pequeno. As distâncias e os números nos assustam e nos perdemos nos cálculos.  Muitas vezes, nem a imaginação alcança a grandiosidade do que temos à nossa volta.

Não nos preocupemos. O que é impermanente passa. O que é permanente fica.

Depois de todas essas revoluções, depois de tudo que possa acontecer, ainda seremos nós e ainda teremos Deus.

Dependendo apenas de nosso próprio esforço, seremos cada vez mais lúcidos, mais inteligentes e mais amorosos.

Mais à frente poderemos auxiliar na instalação de novas Humanidades aqui e ali.

Espíritos novos, que iniciem seu processo evolutivo, vão precisar daqueles que possuem experiência e estejam aptos a lhes dedicar atenção e compreensão.

Muito nos espera. Não foi de forma leviana que o Espírito perfeito que esteve na face do planeta nos confessou: Podeis fazer o que eu faço e muito mais!

Que bela declaração! Que visão de futuro! Jesus enxergava o potencial de cada um daqueles que estávamos ali, ao Seu lado, recebendo a oportunidade bendita de ouvir a verdade da Sua boca.

Por isso, não nos aflijamos com o futuro. Por vezes, a lei de destruição nos assusta. Mas, lembremos que depois de tudo, ainda seremos nós mesmos e ainda teremos Deus.

As coisas, os lugares, as paisagens, o planeta - tudo pode ser destruído.

Haverá, no entanto, outras localidades, outras paisagens e ainda nós, ainda nossos amores e ainda nosso Criador.

Não vos inquieteis pelo dia de amanhã.

Cuidemos do hoje, cuidemos de amar e de aprender tudo que possamos em cada encarnação.

Este é o tempo que temos.

E que o depois cuide do depois.

Asserenemos a alma. Trabalhemos com confiança e a certeza de que há planos imensos para nós e para tudo que nos envolve.

Depois do material e do irreal,

Ainda eu, ainda Deus.

Redação do Momento Espírita, com base
 no poema
Ainda eu, ainda Deus, de
Em 26.3.2024.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998