Momento Espírita
Curitiba, 15 de Julho de 2024
busca   
no título  |  no texto   
ícone O nevoeiro

Manhã de outono em cidade do sul do país.

Pai e filha acordam cedo e se preparam para a ida à escola.

O cenário, em casa, é o de sempre. Mas lá fora ela percebe que existe alguma coisa diferente.

Ela nunca havia notado algo assim antes.

Pai... O que é isso? E por quê? - pergunta ela, objetivamente, com um pouco de medo na voz.

A mesa do café dá para uma grande porta janela. Ela estava acostumada a enxergar o quintal com as árvores frondosas, a natureza verdejante que sempre a saudava de braços abertos.

Naquela manhã, tudo estava estranho: o quintal havia desaparecido, as árvores haviam sumido. Parecia que as nuvens estavam batendo na janela de casa.

O pai, que já presenciara o fenômeno diversas vezes, e mesmo assim ainda se encantava com tamanha beleza, respondeu com tranquilidade:

Filha, não se preocupe. Está tudo bem.

A floresta ainda está lá, as árvores e os passarinhos continuam no mesmo lugar. O sol está ali atrás. Logo mais ele aparece.

São apenas nuvens bem baixinhas, que nasceram aqui durante a madrugada, e que logo desaparecerão.

Aliás, você sabia que quando o dia amanhece assim significa que teremos um lindo sol?

A menina se animou, confiou no pai, e voltou a saborear seu café da manhã sem maiores preocupações.

*  *   *

Neblina que baixa, sol que racha - diz a sabedoria popular.

A meteorologia concorda com a voz do povo nesse ponto, pois realmente é o que acontece na maioria das vezes.

O nevoeiro da manhã é típico em algumas regiões e épocas do ano, quando, após uma noite fria, a umidade se condensa mais próximo ao solo.

Basta o sol começar a aparecer que a condição se desfaz.

Quem já presenciou o belo fenômeno do sol vencendo o nevoeiro pode retirar belas lições para a vida.

Com o conhecimento que a meteorologia, uma das ciências da Terra nos fornece, conseguimos prever o que vem adiante. Conseguimos entender que se trata de um ciclo e de um fenômeno natural.

Então, perguntamos: Por que ainda olhamos os nevoeiros da vida como crianças assustadas?

Não nos falta um pai para explicar do que se trata. Não podemos alegar isso.

Falta confiar, falta entregar o coração nas mãos do universo perfeito e tranquilizar a alma.

Falta ouvir o Pai Celeste, entender as leis da natureza, tudo que rege nossas relações com o próximo, com nós mesmos e com ele, o Supremo Senhor de todas as coisas.

A presença do nevoeiro atrapalha a visão, reduz a visibilidade, fecha aeroportos. Exige de nós alguns procedimentos, mudança de planos, de horários. Mas passa.

Assim será sempre com todo nevoeiro que se apresentar em nossos dias.

Abramos a alma para ouvirmos a voz do grande Pai a nos dizer: Não se preocupe. Está tudo bem.

A floresta ainda está lá, as árvores e os passarinhos continuam no mesmo lugar. O sol está ali atrás. Logo mais ele aparece.

São apenas nuvens bem baixinhas, que nasceram aqui durante a madrugada, mas que logo não mais irão existir.

Redação do Momento Espírita
Em 17.6.2024.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2024 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998